PS foca no combate à desigualdade de rendimentos

António Costa hasteou a bandeira do combate à desigualdade de rendimentos, numa altura em que os socialistas preparam o programa eleitoral para as legislativas, em Viseu.

O primeiro-ministro hasteou a bandeira do combate à desigualdade de rendimentos este sábado, numa altura em que os socialistas iniciam os trabalhos para desenhar o programa eleitoral do PS para as próximas legislativas.

Num discurso que principiou os trabalhos em Viseu, que foi transmitido pela RTP 3, António Costa apontou que “a desigualdade de rendimentos diminuiu” com a política de devolução de rendimentos perseguida pelo Governo, mas disse que o país continua “com uma desigualdade acima da média europeia”. “Significa que temos de continuar este trabalho”, afirmou o chefe do Executivo.

O PS tem já definidos “quatro objetivos concretos de boa governação” que vão da descentralização ao “bom combate à corrupção”, as “contas certas”, a “valorização das funções de soberania” e a melhoria da “qualidade dos serviços públicos”. Este sábado, algumas das intenções socialistas fizeram eco na imprensa, com António Costa a assumir que quer mais trabalhadores na Função Pública e com salários mais elevados.

Em Viseu, Costa lembrou que o país não pode “ignorar os desafios estratégicos que se colocam”. Começando nas alterações climáticas e passando pelo “desafio da demografia, António Costa não esqueceu também a tecnologia e a “transição para a sociedade digital”. Mas foi o tema das desigualdades o que mais atenção mereceu por parte do primeiro-ministro.

Como tal, o PS quer ir a eleições sob a égide do combate às diversas desigualdades que se verificam na sociedade — entre elas, a “desigualdade de rendimentos”, a “desigualdade territorial” e as “assimetrias regionais”, a “desigualdade de género e a discriminação em função da orientação sexual ou da cor da pele” e a “desigualdade na educação”. “A questão das desigualdades continua a ser uma questão central”, referiu o líder político socialista.

Os trabalhos de elaboração do programa eleitoral do PS arrancaram este sábado e deverão terminar a 20 de julho. Os portugueses serão chamados às urnas em outubro, para votarem nas eleições legislativas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS foca no combate à desigualdade de rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião