Banco Santander vai dispensar 3.200 trabalhadores em Espanha

  • Lusa
  • 17 Junho 2019

O Santander prevê a saída de 3.223 trabalhadores em Espanha e o encerramento de cerca de 1.150 agências.

O banco Santander assinou esta segunda-feira em Madrid um acordo com os sindicatos que prevê a saída de 3.223 trabalhadores em Espanha, 490 menos do se previa inicialmente, a sua maioria através de um programa de pré-reformas.

A dispensa de 10% dos efetivos da entidade bancária tem lugar no quadro da reestruturação decidida depois de ter absorvido o Banco Popular em 2017.

O banco, que emprega cerca de 32 mil pessoas em Espanha, também pretende fechar perto de 1.150 agências, ou seja, uma em cada quatro.

A maior parte da supressão dos postos de trabalho vai ser feita principalmente através da concessão de pré-reformas voluntárias aos trabalhadores com mais de 50 anos de idade que podem alcançar os 80% do salário para o caso dos funcionários de 59 a 61 anos de idade.

Num comunicado distribuído internamente, o banco sublinha que não foi necessário esgotar o período legal previsto para as negociações iniciadas no mês passado, o que indica o esforço feito pela empresa para oferecer as melhores condições possíveis, assim como a atitude “dialogante e responsável dos sindicatos que, maioritariamente, subscreveram o dito acordo.

O compromisso inclui uma proposta no qual o Santander se compromete a encontrar emprego para 100% dos funcionários afetados pela supressão de postos de trabalho que queiram continuar a trabalhar.

O banco já tinha anunciado em meados de maio a intenção de suprimir 3.700 postos de trabalho, número reduzido em 490 lugares depois das negociações com os sindicatos.

No final de 2017, o Banco Santander já tinha eliminado cerca de 1.100 postos de trabalho em Espanha devido à reestruturação relacionada com a integração do Banco Popular.

No final de março, o Banco Santander empregava cerca de 202 mil pessoas em todo o mundo, em 13.300 agências.

O grupo Santander, que também está presente em Portugal, anunciou, em 30 de abril último, lucros de 1.840 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 10% que no período homólogo de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Santander vai dispensar 3.200 trabalhadores em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião