Câmara de Lisboa já cobrou mais de 17 mil euros por trotinetas mal-estacionadas

  • Lusa
  • 18 Junho 2019

A maioria das infrações detetadas pelas autoridades foram o estacionamento das trotinetas em cima do passeio - zona pedonal - e fora do local destinado para o efeito.

A Polícia Municipal de Lisboa cobrou 17.145 euros em coimas por trotinetas mal-estacionadas, entre fevereiro e o início de junho, tendo removido 1.820 veículos do centro da cidade nos últimos cinco meses, divulgou esta terça-feira a autarquia.

“A verificação das infrações detetadas tem sido, habitualmente, ao estacionamento em cima do passeio – zona pedonal – e fora do local destinado para o efeito”, explicou a Câmara de Lisboa à agência Lusa.

De acordo com o Código da Estrada, a coima a cobrar nos casos de estacionamento indevido tem o valor mínimo de 30 euros, sendo reduzida para metade no caso de velocípedes (como as trotinetas e as bicicletas). O valor a pagar pelos operadores é por unidade.

O município salientou ainda que, à data, existem seis mil trotinetas partilhadas que realizam cerca de 13 mil viagens por dia. Desde a entrada das empresas em Lisboa, em outubro do ano passado, já foram feitas também cerca de 390 mil viagens por mês e cerca de três milhões em oito meses.

A autarquia explicou também que a criação de “zonas vermelhas”, interditas ao estacionamento de trotinetas, tem permitido também reduzir o número de estacionamento indevido destas viaturas. As zonas históricas – zonas vermelhas – de Lisboa são interditas ao estacionamento das trotinetas e bicicletas, fora isso, aqueles meios de transporte podem ser largadas pela cidade.

Zonas como Terreiro do Paço, Bairro Alto, Praça do Marquês de Pombal, Colina de Alfama, Castelo de São Jorge e Jardim da Estrela estão vedadas ao estacionamento quer de trotinetas, quer de bicicletas.

A autarquia realçou também que “reúne de forma regular com todos os operadores, procurando criar condições para potenciar a sua atividade e corrigir o que for necessário”. De acordo com a Câmara de Lisboa, a principal prioridade do executivo é zelar pela segurança do espaço público e pela segurança de todos os utilizadores.

“A utilização e o estacionamento destes novos modos de transporte obedecem a regras e os utilizadores devem respeitá-las, tal como devem respeitar os outros utentes da via de forma a garantir a segurança de todos”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa já cobrou mais de 17 mil euros por trotinetas mal-estacionadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião