Go-PopUp compra startup portuguesa Yoochai

Plataforma de reservas de espaços de retalho a curto prazo foi comprada pela concorrente Go-PopUp. Aquisição vai permitir-lhe alargar a posição na Península Ibérica.

A portuguesa Yoochai, startup de reserva de espaços de retalho a curto prazo, foi vendida à Go-PopUp, a sua concorrente europeia. As duas empresas são conhecidas pela sua oferta de espaços pop-up, que dão aos clientes a oportunidade de encontrarem um local perfeito para ativação da marca ou para realizar eventos.

Fundada em 2016 na Startup Lisboa com o objetivo de ligar espaços a clientes, facilitando o processo de arrendamento, tanto para o dono do espaço como para o potencial arrendatário, a Yoochai é a plataforma líder do setor em Portugal, tendo trabalhado ao longo dos anos com marcas como a L’Oréal, Redbull, Sephora e Netflix, e instituições do mercado imobiliário incluindo a Câmara Municipal de Lisboa, Metrocom, Cushman & Wakefield e Multi Portugal. Com a venda, a operação da Yoochai vai passar a ser assegurada a partir desta terça-feira pela Go-PopUp, que fortalece assim a posição na Península Ibérica, continuando a expansão global.

“Cada vez há mais procura de espaços pop up em Portugal, e surgiu a oportunidade de fazer parte da maior empresa do ramo na Europa. Desta forma, conseguimos crescer, dar continuidade ao negócio e os nossos clientes passam a ser servidos por uma maior equipa. Foi bom termos este reconhecimento pela Go-PopUp porque valida o nosso conceito e trabalho ao longo dos últimos três anos”, explica Pedro Coutinho de Lucena, head of marketing da Yoochai, ao ECO.

Pedro Lucena, Christina Lock e Rita Palma, da Yoochai.Yoochai

Fundada em 2014 em Berlim, a Go-PopUp é a principal agência internacional de criação de experiências de retalho pop-up para marcas e oferece lojas, de zonas premium até espaços personalizados, centros comerciais e contentores ao ar livre em países como Reino Unido, Austrália, Argentina e Hong Kong. Os clientes da Yoochai em Portugal continuarão a contar com o excelente apoio de uma equipa local, bem como a oportunidade de aproveitar uma oferta internacional maior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Go-PopUp compra startup portuguesa Yoochai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião