Marcelo condecora Draghi após mandato “fantástico”. Presidente do BCE diz que Portugal está “sólido”

Marcelo Rebelo de Sousa entregou a Mario Draghi o colar da Grande Ordem do Infante que é atribuído a personalidades que prestam serviços relevantes a Portugal.

O Presidente da República condecorou esta quarta-feira o Presidente do Banco Central (BCE) que está prestes a terminar um mandato de oito anos, que Marcelo Rebelo de Sousa considerou “fantástico”. Mario Draghi agradeceu e garantiu que Portugal está “solidamente no caminho para o crescimento e prosperidade contínua”.

Mario Draghi está em Portugal para o Fórum do BCE, que se realizou mais uma vez em Sintra. Marcelo não desperdiçou a passagem do presidente do BCE por Portugal e condecorou o líder da autoridade monetária com o colar da Grande Ordem do Infante, que serve para homenagear personalidades que tenham prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro.

Marcelo destacou o papel “importantíssimo” de Mario Draghi “para ultrapassar a crise, criando condições para uma economia europeia mais forte”, disse o chefe de Estado português no Palácio de Belém. Antes de entregar o colar a Draghi, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que o desempenho do italiano aos comandos do BCE foi “fantástico”, segundo declarações transmitidas pela RTP.

E explicou que a condecoração é o reconhecimento de Portugal pelo mandato e “por tudo o que fez pela Europa e pela Zona Euro”. Uma das frases mais marcantes do mandato do presidente do BCE foi proferida em 2012, já com três países europeus sob resgate internacional (Grécia, Irlanda e Portugal), quando Draghi disse que o BCE faria “tudo o que fosse preciso” para segurar o euro.

Mario Draghi agradeceu a condecoração, disse que o país “está agora solidamente no caminho para o crescimento e para a prosperidade contínua” e defendeu que Portugal é um “símbolo da integração europeia” ao lembrar que em 2011 “muito próximo das eleições os dois partidos decidiram que iriam respeitar o programa acordado com a Comissão Europeia”.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo condecora Draghi após mandato “fantástico”. Presidente do BCE diz que Portugal está “sólido”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião