Só há uma direção para as três riscas da Adidas (ou deixa de ser da Adidas)

Segundo a Adidas, a sua marca registada consiste em "três listas paralelas equidistantes, de igual largura e aplicadas ao produto em qualquer direção". O Tribunal, no entanto, não concorda.

A Adidas queria diferenciar-se das demais rivais marcas desportivas, mas o Tribunal da União Europeia (UE) optou por não dar razão à empresa fundada por Adolf Dassler. Em causa estava o logótipo da Adidas, as três riscas na diagonal orientadas da direita para a esquerda. A decisão judicial determinou que a empresa não conseguiu mostrar que a marca tinha uma “caráter distinto”.

Na prática, isto significa que a imagem de marca da gigante de artigos de desporto não se aplica às riscas verticais ou horizontais que vão noutras direções, avança esta quarta-feira a agência Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês). Contudo, de acordo com a Adidas, a sua marca registada consiste em “três listas paralelas equidistantes, de igual largura e aplicadas ao produto em qualquer direção“.

Para o Tribunal, a marca desportiva “não é uma marca de padrão, mas uma marca figurativa comum”. “O Tribunal Geral declara que as formas de utilização que se afastam das características essenciais da marca, como o seu esquema de cores (faixas pretas sobre um fundo branco) não podem ser tomadas em consideração”, explica o Tribunal Geral da União Europeia em comunicado.

Além disso, o” caráter distintivo” da marca ficou provado em apenas cinco Estados-membros da UE. “Não podiam, no presente caso, ser extrapolados para o território de toda a União”, afirma o Tribunal. Perante a decisão, a Adidas admite estar “desapontada”, mas garante que vai proteger a marca de três faixas”. E salienta que a marca será “aplicada aos produtos em qualquer direção no futuro”.

Recorde-se que, no ano passado, o mesmo Tribunal da União Europeia decidiu tornar a marca registada de duas faixas da Shoe Branding inválida, justificando a decisão pelo facto de as faixas serem muito semelhantes às riscas do logótipo da Adidas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Só há uma direção para as três riscas da Adidas (ou deixa de ser da Adidas)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião