Tornar englobamento no IRS obrigatório “só significaria agravar impostos”

Englobar ou não englobar? É essa a questão que o PS quer eliminar, no momento da entrega do IRS, para quem tem rendimentos prediais e capitais. Mas tal "agravaria impostos", alertam fiscalistas.

Os socialistas querem caminhar no sentido de englobar os diversos tipos de rendimentos no IRS, uma mudança que, por um lado, implicaria um “agravamento dos impostos” e, por outro, significaria nada mais do que o regresso àquilo que está já consagrado na Constituição, isto é, o pressuposto da progressividade. Isto mesmo disseram ao ECO, respetivamente, os fiscalistas Luís Leon, da Deloitte, e Manuel Faustino, antigo diretor do IRS.

No projeto de programa eleitoral do PS, é sublinhada a vontade do partido de António Costa de apostar na progressividade dos impostos sobre o rendimento individual, através de “uma maior equidade no tratamento de todos os tipos de rendimento” e da “eliminação de soluções que, beneficiando sobretudo os contribuintes com mais recursos, induzam dinâmicas contrárias de regressividade”. Por isso, os socialistas avançam que irão “caminhar no sentido do englobamento dos diversos tipos de rendimentos em sede de IRS, eliminando as diferenças entre taxas”.

Atualmente, é possível optar pelo não englobamento de três categorias de rendimentos: E (rendimentos capitais, como os juros de depósitos, dividendos ou seguros financeiros), F (rendimentos prediais) e G (incrementos patrimoniais). Nestes casos, os rendimentos são sujeitos a uma taxa liberatória fixa de 28%, que é mais baixa do que as taxas aplicadas a cinco dos sete escalões do IRS, que são progressivas, isto é, variam consoante o nível de rendimentos.

Por outro lado, os contribuintes cujos rendimentos destas categorias sejam mais modestos e que, portanto, se consigam encaixar nesses dois escalões com taxas menos pesadas podem sempre optar pelo englobamento desses rendimentos no IRS, beneficiando de uma tributação mais leve.

Portanto, na prática, escolher o englobamento não é mais do que aglomerar todos os rendimentos num mesmo grupo, ao qual se aplica uma mesma taxa de IRS, que é fixada consoante a o nível de rendimento, variando entre 14,5% e 48%. Perante a progressividade das taxas de IRS, para os rendimentos prediais e capitais mais elevados é tendencialmente mais vantajoso manter a taxa de 28%, evitando a tais taxas mais elevadas que podem chegar mesmo aos 48%.

Face a este modelo e sublinhando que não conhece em detalhe a proposta socialista, Luís Leon sublinha que um sistema de englobamento obrigatório (como parece ser sinalizado no projeto de programa eleitoral referido) “só significaria um agravamento dos impostos”. “Tecnicamente, esta medida não serviria para apoiar quem menos ganha. Só serviria para tributar mais quem mais ganha”, frisa, referindo que os contribuintes na primeira situação podem atualmente escolher o englobamento (beneficiando das taxas mais baixas que a liberatória) e os segundos deixariam, nesse cenário proposto, de poder manter a taxa de 28%, passando a estar sujeitos a uma taxa de até 48%.

Tal agravamento dos impostos poderia, por outro lado, constituir um desincentivo ao tipo de investimentos visados, o que poderia ser “contraproducente” para um país que tem falta de capital e precisa de ver o seu Produto Interno Bruto (PIB) crescer, defende Luís Leon. O fiscalista apela ainda nesse sentido à “estabilidade fiscal” para que os agentes económicos possam investir a médio e longo prazo.

Cenários macro à parte, o fiscalista Manuel Faustino sublinha que eliminar as diferenças entre as taxas seria um regresso “à ideia original” que está consagrada na Constituição, que é a da progressividade. O antigo diretor do IRS sublinha que, atualmente, apenas 15% dos rendimentos das categorias em questão estão fora do englobamento. Ainda assim, o fiscalista salienta que tal diferenciação é uma “violação ostensiva” do disposto constitucionalmente.

Por isso, Faustino considera que “é obrigação dos Governos” promover o englobamento, mas lembra que foi precisamente com o PS que os rendimentos prediais (categoria F) deixaram de estar englobados. Já numa visão macroeconómica, Faustino é claro: “Defendo um flat tax“. Ou seja, para este fiscalista, ou a progressividade é uma regra sem exceções ou é mesmo preciso mudar a lei.

Recorde-se que esta medida do englobamento de todos os rendimentos tem sido defendida pelos parceiros políticos do Executivo de António Costa, tendo estado em cima da mesa uma medida proposta pelo PCP que previa que os contribuintes que no conjunto tivessem rendimentos brutos superiores a 100 mil euros passassem a ser obrigados a fazer o respetivo englobamento para efeitos de IRS.

A proposta acabou por não chegar a bom porto, mas pode ser agora reanimada, já que os socialistas sinalizam querer adotar este sistema de forma faseada (“caminhar no sentido de”), o que poderá significar, por exemplo, o englobamento de rendimentos acima de um determinado valor.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Tornar englobamento no IRS obrigatório “só significaria agravar impostos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião