Reestruturação da CGD em condições de ir além de Bruxelas

  • ECO
  • 29 Junho 2019

A CGD diz que está a cumprir o plano estratégico acordado com Bruxelas e, com base na execução positiva de alguns indicadores, avança que que gostaria até de ir além das metas.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) gostaria de ir além das metas traçadas no plano estratégico até 2020 acordado pelo Estado com a Comissão Europeia, em 2017, avança o Expresso (acesso pago), este sábado. Isto com base na execução positiva de alguns indicadores, como a redução do crédito mal parado e a diminuição dos custos operacionais.

Há, no entanto, pontos em que tal não será possível face à prolongada política de Mario Draghi de manter os juros em mínimos (o que prejudica as receitas bancárias), às dificuldades de geração de negócio novo e ao impacto que o emagrecimento da instituição (refletido na redução do número de balcões e trabalhadores) tem tido nos clientes. E ainda que o banco público defenda que está o cumprir o plano em causa, Bruxelas não se compromete com essa avaliação e afirma apenas que está a acompanhar o processo.

O semanário questionou a CGD sobre se o cumprimento do plano está a ser feito apenas à custa de cortes nos recursos humanos e nos balcões, bem como na subida das comissão e nas diminuição das margens de juros nos depósitos, tendo o banco público respondido: “A Caixa está a cumprir com o plano estratégico aprovado em 2017”.

Do lado do Ministério das Finanças, a resposta é semelhante: “A CGD tem atingido globalmente os objetivos previstos”. O Ministério de Mário Centeno salienta, por outro lado, que desde o início deste plano que os “objetivos a longo prazo têm sido atualizados sempre que necessário”, nomeadamente consoante as “circunstâncias macroeconómicas”.

Do lado de Bruxelas, a reação é mais curta: “A Comissão está a monitorizar o conformidade dos compromissos relativos à CGD”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reestruturação da CGD em condições de ir além de Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião