JPMorgan sobe preço-alvo do BCP. Vê banco a valer cinco mil milhões de euros na bolsa

Banco de investimento norte-americano subiu o preço-alvo das ações do banco liderado por Miguel Maya. Incluiu o BCP na lista de favoritos.

O BCP volta a estar em entre as ações preferidas do JPMorgan. O banco de investimento norte-americano incluiu a instituição financeira portuguesa na lista de top picks depois de ter elevado o preço-alvo das ações para 0,33 euros, avaliação que confere ao banco um potencial de valorização superior a 20%.

Caso as ações atinjam os 0,33 euros, o banco poderá atingir uma capitalização de mercado de 4,98 mil milhões de euros, tendo em conta os 15 mil milhões de ações do banco. O valor significaria um aumento de quase 900 mil euros face ao valor atual.

Na última sessão, os títulos do BCP fecharam nos 0,2719 euros, pelo que o novo preço-alvo confere às ações um potencial de subida de 21,4%. Esta segunda-feira, o BCP reage em alta à nota do JPMorgan e segue a ganhar 0,99% para 0,2746 euros, numa altura em que o PSI-20 avança 0,80% e o índice pan-europeu do setor Stoxx Banks soma 1,40%.

BCP brilha em bolsa com preço-alvo do JPMorgan

O BCP já tinha estado na lista de top picks do JPMorgan em janeiro do ano passado, mas tinha entretanto abandonado a lista. Ao longo desse tempo, o banco liderado por Miguel Maya consolidou a recuperação após a crise, com lucros de 301,1 milhões de euros no ano passado. 10% desse valor foi usado para o regresso ao pagamento de dividendos (apesar de terem sido de apenas 0,002 euros por ação), uma década depois de ter cortado a remuneração acionista.

A média dos preços-alvos das ações dos analistas que seguem o BCP aponta para que as ações atinjam os 0,32 euros, segundo dados compilados pela Reuters. Seis recomendam a compra, enquanto três analistas sugerem a manutenção das ações em carteira e apenas um a venda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

JPMorgan sobe preço-alvo do BCP. Vê banco a valer cinco mil milhões de euros na bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião