SIC já é líder de audiências em horário nobre

A SIC conquistou à TVI a liderança das audiências em horário nobre. Distância foi de 3,5 pontos percentuais em junho, um resultado que o canal atribui ao desempenho das novelas.

A SIC conquistou à TVI a liderança nas audiências durante o horário nobre da televisão portuguesa, de acordo com dados da GfK/CAEM, obtidos pelo ECO. O share do canal em prime time subiu 1,4 pontos percentuais em junho, face ao mês anterior, atribuindo à estação o título de líder de audiências com um share de 21,8%, contra 18,3% da TVI.

Num comunicado, o canal do grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão atribui a conquista da liderança neste horário às telenovelas. “Para esta liderança contribuiu o excelente desempenho das três novelas que a SIC transmite no horário nobre”, mais especificamente do título Golpe de Sorte. A “mais recente aposta da SIC na ficção nacional” fechou julho “a liderar, no universo dos canais generalistas, com 24,8% de share“, de acordo com informação avançada pelo canal.

Apesar deste resultado, a TVI foi líder semestral neste horário, com um share de 21,5% no semestre, contra 20,3% da SIC. “Terminado o primeiro semestre de 2019, a TVI foi o canal preferido dos portugueses no prime time“, avançou a estação do grupo Media Capital, em comunicado. “O mês de junho fica marcado pela transmissão da final da Liga dos Campeões, que obteve” um share de 35,9%, segundo a TVI.

Em termos de audiências gerais, a SIC fechou os primeiros seis meses do ano com um share de audiências diárias de 19%, que compara com os 17,3% da concorrente da Media Capital, sagrando-se líder de audiências na primeira metade do ano. A liderança no semestre foi reforçada por uma subida das audiências diárias em junho, mês em que o canal do grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão conseguiu uma subida de 0,2 pontos percentuais de share, para 19,4%, contra os 14,9% da TVI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIC já é líder de audiências em horário nobre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião