Rejuvenescimento da Função Pública está a acontecer consoante “capacidade do país”, diz Centeno

O rejuvenescimento da Administração Pública tem de ser feito de forma "muito eficaz", mas deve seguir o ritmo permitido pelas capacidades do país, defendeu Mário Centeno.

Poucos dias depois de se ter conhecido que a idade média na Administração Pública (AP) subiu quase quatro anos nos últimos oito anos, Mário Centeno sublinha que o rejuvenescimento dos recursos humanos do Estado está “em curso ao ritmo que as capacidades do país permitem”. O ministro das Finanças falava na abertura da primeira edição das “Conversas sobre a Memória e o Futuro AP”, uma iniciativa promovida pela Direção-Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas.

Este trabalho [de rejuvenescimento e revitalização] está em curso ao ritmo que as capacidades do país permitem e tem de ser feito de forma muito eficaz. Não basta recrutar mais pessoas. É necessário que se promova uma coexistência harmoniosa entre as gerações e este capital humano, que se aprenda com o passado naquela perspetiva de definir o rumo do futuro”, salientou o governante.

Mário Centeno aproveitou ainda para referir os dados revelados no Boletim Estatístico do Emprego Público (BOEP), na semana passada, e que indicam que, desde 2011, a idade média estimada para o total de trabalhadores do Estado subiu quase quatro anos para 47,4 anos. “Não é muito distante da média etária do conjunto da economia”, disse o ministro, frisando, por outro lado, que as qualificações na AP são “muito superiores” e têm vindo a aumentar “de forma significativa” ao longo da legislatura de António Costa.

A propósito e sobre o futuro, Centeno identificou três desafios centrais: o envelhecimento demográfico, a digitalização e as alterações climáticas. E destacou que estes desafios exigem “novos modelos de gestão, mais participados, mais abertos e com responsabilidade partilhada pela utilização de recursos escassos”. O ministro reforçou ainda que “inovar não é uma moda, é uma questão de sobrevivência”, defendendo que os trabalhadores e os dirigentes da AP devem “aprender com o passado” e “perspetivar o futuro”.

Recorde-se que o BOEP indicou também que o número de funcionário públicos com 65 anos ou mais e, portanto, à beira da reforma atingiu, no ano passado, os 16.203, o nível mais elevado desde o início da série estatística. Neste relatório, a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) destacou, além disso, que no segundo semestre do último ano e face ao final de 2015, registou-se ainda uma quebra acentuado do número de trabalhadores entre os 25 anos e os 34 anos e um aumento do número de trabalhadores nas faixa etárias superiores aos 55 anos, o que reflete “essencialmente o reduzido número de novas admissões nas Administrações Públicas, particularmente entre 2012 e 2015”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rejuvenescimento da Função Pública está a acontecer consoante “capacidade do país”, diz Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião