Governo vai reforçar serviços do Cartão de Cidadão para responder a filas

Vão abrir novos espaços do cidadão no Algarve. Por Lisboa, alguns dos locais vão abrir mais cedo para entrega de senhas e renovação do Cartão de Cidadão.

Face aos relatos de filas e atrasos para o Cartão do Cidadão (CC), o Governo vai reforçar estes serviços a partir da próxima semana. As medidas anunciadas preveem a abertura de novos espaços do cidadão no Algarve, bem como alterações no atendimento em espaços de Lisboa.

Na segunda semana de julho vão abrir nove espaços de cidadão em Ferragudo, Porches, Alcoutim, Martim Longo, Altura, Azinhal, Odeleite, Portimão e Olhão. Apesar de só indicar estes locais, o gabinete da ministra da Justiça aponta, em comunicado, que os novos espaços estão em permanente atualização nesta página.

Já na capital lisboeta, “a Conservatória da Av. Fontes Pereira de Melo e o Campus da Justiça, abrirão as portas ao cidadão pelas 7h00, para entrega de senhas com a indicação da hora previsível de atendimento e atendimento assistido para efetuar, no momento, a renovação online do seu CC, a quem reúna as condições”.

A medida será “brevemente alargada a todos os balcões do IRN em que se justifique um descongestionamento da pressão de atendimento”, acrescentam. As alterações “visam descongestionar o atendimento nos balcões de CC, tanto através do aumento do atendimento presencial, como através da implementação de soluções online”, pode ler-se no comunicado.

Estas iniciativas tinham já sido adiantadas pela secretária de Estado da Justiça à TSF (acesso livre) nesta manhã. Anabela Pedroso avançou também à rádio que vão existir dois novos postos só para levantar o Cartão de Cidadão, no Areeiro e no Campo Grande.

A ministra da Justiça revela, no comunicado, que até 2 de julho, 5.300 pessoas já optaram por renovar o CC pela via online, uma modalidade disponível para quem tem mais de 25 anos e com Chave Móvel Digital ou leitor de CC. Já nos Espaços Cidadão da área metropolitana de Lisboa foram pedidos 7.500 novos cartões, desde de 20 de maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai reforçar serviços do Cartão de Cidadão para responder a filas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião