Azeredo Lopes é arguido no caso de Tancos. “Condição de arguido é socialmente destruidora”, reage ex-ministro

  • ECO
  • 5 Julho 2019

O ex-ministro da Defesa socialista é arguido no caso de Tancos, por denegação da justiça, avançou a TVI. "É absolutamente inexplicável" e "socialmente destruidor", reage Azeredo Lopes.

Azeredo Lopes foi constituído arguido no caso do assalto a Tancos, revelou a TVI quinta-feira à noite. Em causa está o crime de denegação de Justiça, isto é, a suspeita de que o antigo ministro da Defesa terá interferido no processo de investigação ao caso, com o Tribunal de Instrução a aceitar a proposta do Ministério Público.

O memorando entregue a Azeredo Lopes após a recuperação das armas roubadas de Tancos tinha informações que a operação da Polícia Judiciária Militar (PJM) tinha sido realizada à margem da Lei, sendo esta a base da constituição de arguido do ex-ministro, escreve esta sexta-feira o Diário de Notícias.

Para o Ministério Público, Azeredo Lopes deveria ter participado às autoridades esta informação e, ao não o fazer, pode ter incorrido no crime de crime de denegação de justiça.

O ex-ministro reagiu na manhã de esta sexta-feira, em comunicado enviado à Lusa. “É absolutamente inexplicável tendo em conta os factos relativos ao meu envolvimento do processo, que foi apenas de tutela política”, começa por referir.

“Confio na Justiça, com ela colaborarei, como é meu dever, e estou convicto, porque nada fiz de ilegal ou incorreto, que serei completa e absolutamente ilibado de quaisquer responsabilidades neste processo”, prossegue o ex-ministro da Defesa, destacando o impacto e a “destruição social” associada à constituição como arguido.

“Não escondo que esta situação me desgosta e constrange, pois a condição de arguido, sendo juridicamente garantística dos meus direitos, é socialmente destruidora. Sou um empenhado defensor do Estado de Direito, pelo que não tecerei quaisquer considerações sobre o processo enquanto estiver em segredo de justiça, como é o caso.”

Azeredo Lopes demitiu-se do cargo de ministro da Defesa em outubro de 2018, depois de ter sido conhecido que recebeu o memorando polémico a propósito da atuação da PJM, tornando-se agora o primeiro responsável político a ser constituído arguido neste inquérito.

Além de Azeredo Lopes, o processo já conta com mais de 20 arguidos, entre suspeitos do assalto e militares da PJM e GNR envolvidos no acordo à margem da lei que levou à recuperação das armas. Os crimes em causa são os de denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, favorecimento pessoal, abuso de poder, recetação.

O caso foi analisado também no Parlamento, numa comissão parlamentar de inquérito, cujas conclusões foram conhecidas esta semana. Os partidos da esquerda aprovaram o relatório que afasta responsabilidades políticas, enquanto PSD e CDS votaram contra por considerar que houve um branqueamento da ação do Governo.

Filipe Neto Brandão, deputado socialista e presidente da comissão, afirmou esta sexta-feira no Parlamento que “os trabalhos da comissão estão concluídos e não foi possível apurar qualquer responsabilidade” pelo que “não há possibilidade de reabertura dos trabalhos da comissão“.

(Notícia atualizada às 11h10 com reação de Filipe Neto Brandão)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Azeredo Lopes é arguido no caso de Tancos. “Condição de arguido é socialmente destruidora”, reage ex-ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião