Bankinter antecipa abrandamento do ritmo de subida dos preços das casas

  • Lusa
  • 9 Julho 2019

Instituição antecipa que os preços das casas em Portugal aumentem 4% este ano e 1,5% em 2020.

O Bankinter prevê um abrandamento da subida dos preços das casas em Portugal “para um nível mais sustentável”, antecipando que os preços cresçam 4% este ano e 1,5% em 2020, segundo a sua Estratégia de Investimento.

A “maior oferta de imóveis para venda permitirá equilibrar o mercado, levando a um abrandamento do ritmo de subida dos preços para um nível mais sustentável, em linha com o crescimento nominal da economia”, indica a Estratégia de Investimento do Bankinter Research com as perspetivas para o 3.º trimestre de 2019.

A instituição antecipa que os preços das casas em Portugal aumentem 4% este ano e 1,5% em 2020.

“O preço das casas continua suportado por três pilares”, indica o Bankinter, enumerando o baixo custo de financiamento, devido à queda das Euribor e à pressão competitiva nos ‘spreads’, o crescimento da procura interna, “impulsionada pela evolução do ciclo económico e a ausência de alternativas de investimento rentáveis” e a escassez de imóveis para venda, “depois de uma longa crise do setor da construção”.

De acordo com a instituição, apenas o último pilar – a escassez de oferta – “deixará de exercer pressão altista sobre o preço das casas, tendo em conta o aumento esperado do número de novas construções”.

O Bankinter prevê que nos próximos dois anos sejam construídas cerca de 18 mil novas habitações por ano, “sensivelmente o dobro da média dos últimos cinco anos”.

Para o mercado de capitais, o Bankinter antecipa que “o nervosismo e um aumento da volatilidade podem aumentar durante o terceiro trimestre”, apesar de indicar que os “níveis de juros extremamente baixos favorecem as avaliações das bolsas”.

“Com lucros a aumentar e taxas de juro baixas e a diminuir, as avaliações oferecem um risco reduzido” e o Bankinter indica que o atual contexto “faz com que todos os ativos saiam beneficiados: ações, obrigações e imobiliário”.

Na sua Estratégia de Investimento para o 3.º trimestre, o Bankinter explica que “os bancos centrais sofreram (ou beneficiaram de?) uma metamorfose silenciosa muito útil para os preços dos ativos”, que consiste numa mudança de missão.

“Antes da crise financeira a sua missão [dos bancos centrais] era identificar a tempo a inflação e combatê-la com uma política monetária restritiva (basicamente com o aumento das taxas de juro), mas agora esta missão é promover uma inflação suficiente para contrariar os riscos deflacionistas e favorecer tanto a criação de emprego, como o crescimento económico”, indica a instituição, adiantando que, “com este suporte, os preços dos ativos têm, em termos gerais, a maior proteção de sempre”.

O Bankinter indica ainda que, com os volumes de negociação em queda no verão, é necessário que os investidores estejam preparados “para sofrer alguma correção”. “Sem que nos assuste demasiado”, acrescenta.

Comentários ({{ total }})

Bankinter antecipa abrandamento do ritmo de subida dos preços das casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião