Sonaecom vende WeDo. Pode encaixar quase 86 milhões

Empresa liderada por Ângelo Paupério vai receber 70 milhões de dólares pela holding de consultoria, mas pode encaixar mais 27 milhões no futuro.

A Sonaecom vai vender a WeDo Consulting. Depois de quase duas décadas desde a sua criação, a empresa liderada por Rui Paiva, cofundador e presidente executivo, chegou a acordo com a Mobileum para a alienação da totalidade do capital da holding de serviços de consultoria por uma soma que, no limite, pode chegar perto dos 100 milhões de dólares (86 milhões de euros).

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonaecom revela ter alcançado, através da Sonae Investment Management (IM), um acordo que prevê a alienação da “totalidade do capital social e dos direitos de voto da sociedade WeDo Consulting”, empresa criada no seio da Sonae em 2000.

Lembrando que a “concretização da transação está condicionada à verificação de um conjunto de requisitos estipulados pelas partes (condições suspensivas)”, a Sonaecom revela que vai receber 70 milhões de dólares com esta operação. Mas pode ganhar ainda mais no futuro.

“O preço da transação compreende uma componente fixa de 70 milhões de dólares e uma componente diferida e variável, em função da performance do negócio combinado até 31 de dezembro de 2021, cujo valor máximo é de 27 milhões de dólares”, nota. Ou seja, no limite poderá encaixar 97 milhões de dólares, cerca de 86 milhões de euros.

“Com esta transação, a Sonae IM prossegue a estratégia de gestão ativa do seu portefólio de empresas de base tecnológica, com o objetivo de consolidar a sua posição de investidor de referência a nível internacional, reforçando ao mesmo tempo o trajeto de crescimento e afirmação da WeDo Technologies no mercado global, o que representa uma clara oportunidade para a empresa e para as suas pessoas”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonaecom vende WeDo. Pode encaixar quase 86 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião