Capitais próprios da mutualista Montepio caem para metade em 2018

  • ECO
  • 12 Julho 2019

As contas consolidadas de 2018 da mutualista Montepio mostram uma quebra dos capitais próprios para 260 milhões e uma queda acentuada dos lucros, de 831 milhões de euros para apenas um milhão.

A Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) vai discutir as contas consolidadas de 2018 na próxima semana em assembleia-geral. Os resultados do ano passado mostram uma deterioração dos capitais próprios, bem como uma acentuada queda dos lucros, avança o Jornal de Negócios (acesso pago). Já em dezembro do ano passado, o ECO tinha revelado em primeira mão a queda dos lucros da associação.

Os capitais próprios da mutualista caíram, em 2018, para metade, em comparação com o ano anterior. “Os capitais próprios consolidados apresentam um valor de 260 milhões de euros, bem aquém do valor verificado em 2017”, de 527 milhões, refere a associação liderada por Tomás Correia nas contas consolidadas.

A quebra nos capitais deve-se, sobretudo à aplicação da IFRS 9 — nova norma de instrumentos financeiros que introduziu alterações significativas na classificação dos ativos financeiros e no registo de imparidades — que, desde 2018, passou a ser aplicável a todas as empresas e não apenas a instituições financeiras. Para a associação mutualista, esta alteração teve um impacto negativo de 129 milhões de euros no ano passado ao nível dos capitais próprios.

Mas, não foram só os capitais próprios a registar uma quebra. Os lucros afundaram, passando de 831 milhões de euros, em 2017, para apenas um milhão, no ano passado. Isto depois de a dona do Banco Montepio ter beneficiado, em 2017, do registo de ativos por impostos diferidos num montante de perto de 800 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Capitais próprios da mutualista Montepio caem para metade em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião