FMI recomenda revisão das reformas do sistema de pensões. É “dispendioso” e “não corrige desigualdades”

O FMI recomenda que Portugal reavalie as reformas levadas a cabo nos últimos anos no sistema de pensões, de modo a promover a igualdade de rendimentos na velhice e a controlar a despesa.

O sistema de pensões português é “dispendioso” quando comparado com os padrões dos demais países e “faz pouco para corrigir as desigualdades de rendimentos na velhice”. Esta avaliação é feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), no seu relatório sobre Portugal ao abrigo do Artigo IV, no qual recomenda mesmo que se reavaliem as reformas levadas a cabo nos últimos anos, de modo a promover a igualdade e manter uma monitorização “apertada” da despesa.

“Nas últimas décadas, o sistema público de pensões português foi alvo de múltiplas mudanças importantes de modo a reforçar a sua sustentabilidade, incluindo a subida da idade legal da reforma e a indexação à esperança média de vida, bem como a redução dos benefícios para os novos pensionistas desde 2007. Contudo, o sistema mantém-se dispendioso, generoso em comparação com os padrões da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico e faz pouco para corrigir a desigualdade de rendimentos na velhice“, explica o FMI no relatório divulgado esta sexta-feira.

Face a este cenário, a instituição até agora liderada por Christine Lagarde recomenda que Portugal reavalie os resultados das reformas recentes, de modo a identificar possíveis soluções focadas nas pensões mais elevadas. Isto de modo a promover a igualdade entre pensionistas e monitorizar de forma “apertada” a despesa implicada neste sistema. “Por exemplo, as taxas de formação das pensões mais elevadas podiam ser reduzidas de modo a convergir gradualmente com as taxas de substituição da União Europeia”, sugere o Fundo.

O organismo admite, porém, que as reformas levadas a cabo nas últimas décadas estão a “mitigar os custos orçamentais do envelhecimento demográfico”, mas avisa que será preciso um esforço extra no futuro. Ainda assim e por agora, o Governo português reduziu a penalização associada à antecipação da reforma para as carreiras muito longas, que é “excessivamente pesada e injusta”, destaca o FMI, considerando que esta medida terá um “impacto orçamental mínimo”.

O Fundo recomenda, além disso, que se aposte nos Planos Poupança Reforma (PPR) e noutros esquemas privados de pensões, que poderão aliviar a pressão sobre o sistema público e atualmente estão subdesenvolvidos na economia portuguesa. Esta aposta resultaria, além disso, no reforço das poupanças das famílias, salienta o FMI, o que é necessário para “mitigar o impacto adverso das tendências demográficas” já referidas.

No relatório sobre Portugal divulgado pelo FMI em maio deste ano, a instituição já tinha deixado um aviso sobre as pensões, sublinhando que o sistema “beneficiaria” de alguns ajustamentos que amenizassem o acréscimo previsto das despesas face ao envelhecimento demográfico e atenuassem a desigualdade entre pensionistas, que é “mais alta do que a média europeia”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI recomenda revisão das reformas do sistema de pensões. É “dispendioso” e “não corrige desigualdades”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião