FMI revê dívida portuguesa em baixa, mas continua mais pessimista que o Governo

Fundo elogia o compromisso no equilíbrio das contas e consolidação orçamental, que tem permitido reduzir dívida. Já vê o rácio em 118,8% este ano, mas mantém a posição: é preciso acelerar a redução.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais confiante na redução da dívida pública portuguesa. Num novo relatório ao abrigo do artigo VI, reviu em baixa as projeções para o rácio da dívida face ao PIB, que vê agora em 118,8% este ano e 116% no próximo.

As novas estimativas representam um redução de 0,5 pontos percentuais na meta para este ano e de 1 ponto percentual no próximo, face aos números de maio. “A dívida pública está numa firme trajetória descendente e deverá atingir valores próximos de 100% do PIB em 2024“, diz o FMI, antecipando uma quebra média de 3% do PIB ao longo dos próximos cinco anos impulsionada pelo excedente primário.

Apesar de mais otimista, o fundo até agora liderado por Christine Lagarde continua a ver um peso maior da dívida na economia do que o Governo português, que projeta um rácio de 118,6% este ano e 115,2% no próximo.

O FMI elogia o compromisso das autoridades portuguesas no equilíbrio das finanças públicas e na consolidação orçamental, que tem permitido reduzir tanto dívida como défice nos últimos anos, tal como permitiu ao país reembolsar antecipadamente todo o empréstimo ao FMI, beneficiar de upgrades do rating e reduzir “substancialmente” os custos de financiamento.

O custo médio da nova dívida atingiu mínimos históricos (em 1,5% em maio) e Portugal nunca emitiu títulos com taxas tão baixas. Em mercado secundário, as yields das obrigações a seis e sete anos tocaram valores negativos na semana passada (sendo que todos os prazos até aos cincos anos continuam atualmente neste patamar, correspondente a cerca de metade da dívida no mercado) e a yield das obrigações a dez tocou o mínimo histórico de 0,28%.

Condições globais e “deslizes” internos podem comprometer juros

“Não obstante estes progressos, os membros da administração expressaram, de forma geral, a necessidade de acelerar a redução da dívida para reconstruir a almofada orçamental e proteger-se contra choques inesperados”, alerta o FMI, que tem expressado esta preocupação. “O elevado nível de dívida pública de Portugal mantém-se uma vulnerabilidade tanto para a sustentabilidade orçamental como para a economia“.

Se o elevado endividamento é um risco para a economia, também a desaceleração da economia é um risco para a redução da dívida. O FMI manteve a projeção de crescimento do PIB inalterada em 1,7% este ano (face à meta do Governo de 2,2%) e 1,5% no próximo, mas alertou que “os riscos para o outlook de crescimento alteraram-se negativamente, refletindo uma posição cíclica moderada, a desaceleração europeia na segunda metade de 2018 e uma série de riscos financeiros, económicos e geopolíticos”.

Um crescimento global mais fraco que o esperado, especialmente na Zona Euro, não só tem um impacto direto em Portugal como poderá reabrir o desvio do produto, gerando um atraso na redução do rácio da dívida pública até 2021, segundo as estimativas do fundo.

“Igualmente, um aperto pronunciado nas condições de financiamento globais, especialmente se combinados com deslizes políticos domésticos, poderão ter repercussões em Portugal, em termos de yields das obrigações e taxas de juro mais elevadas, aumentando o esforço dos balanços dos setores público e privado”, acrescentou o FMI.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI revê dívida portuguesa em baixa, mas continua mais pessimista que o Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião