Depois do PCP, Bloco também chega a acordo com o PS na Lei de Bases de Saúde

O PCP alcançou uma solução com o PS sobre a Lei de Bases da Saúde. Pouco tempo depois, o Bloco de Esquerda também anunciou que chegou a acordo com o Executivo sobre este dossiê.

O PCP chegou a acordo com o PS para aprovar a Lei de Bases da Saúde, e o Bloco de Esquerda também, apurou o ECO junto de fonte oficial do partido. Na solução encontrada pelos partidos, não há referência às Parcerias Público-Privadas (PPP) no documento, que serão regulamentadas posteriormente, e a legislação que regulava estas parcerias será revogada. No entanto, o PS garante que as PPP continuam a ser possíveis “em circunstâncias extraordinárias”.

Numa conferência de imprensa marcada de urgência, o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, indicou que foi encontrada uma solução que pode viabilizar a Lei de Bases da Saúde, mediante a revisão de alguns pontos no documento, nomeadamente relativos à gestão pública na saúde.

“Sempre demos conta que o processo não estava encerrado”, apontou João Oliveira, em declarações transmitidas pelas televisões. Nas negociações acordaram uma proposta que será apresentada pelo PS. Este acordo prevê a revogação do decreto-lei que atualmente regula as PPP e a fixação de um prazo para a aprovação da legislação que estabeleça os novos termos.

João Oliveira não adiantou se o Bloco de Esquerda estaria de acordo com a solução encontrada, sendo que para aprovar a Lei de Bases não chega o sim do PCP e do PS. No entanto, pouco tempo depois o Bloco também se mostrou disponível para viabilizar a nova Lei de Bases.

Em conferência de imprensa, o líder parlamentar do Bloco Pedro Filipe Soares lembra que o partido, no início de junho, admitiu a possibilidade de viabilizar a Lei de Bases se esta não fizesse menção às PPP, e se o regime jurídico em vigor sobre elas fosse revogada. No entanto, nas votações indiciárias, no grupo de trabalho, todas propostas sobre as PPP foram chumbadas, mas foi também rejeitada a revogação do decreto-lei que as rege.

Agora o PS, o PCP e o Bloco chegaram a um acordo que vai ao encontro da proposta apresentada pela líder bloquista Catarina Martins. Pedro Filipe Soares aponta que o partido sabia que tinha “elementos de divergência com o PS”, mas frisa que foi possível chegar a um consenso nas prioridades traçadas pelo Bloco.

PS sinaliza que cumpriu condições impostas por Marcelo

Relativamente à solução encontrada, que será apresentada pelos socialistas, o líder parlamentar do PS, Carlos César, apontou que esta “não exclui em circunstancias extraordinárias que gestão seja feita pelos privados“.

O líder parlamentar socialista, em declarações em Ponta Delgada, transmitidas pela RTP 3, disse que esta é uma proposta que “poderá não só proporcionar que lei seja aprovada, mas também promulgada”. Marcelo Rebelo de Sousa pediu um consenso partidário alargado sobre esta matéria para promulgar a Lei, e defendeu, em entrevista ao programa O Outro Lado na RTP3, que “uma lei que feche totalmente [a hipótese de criação de PPP] é uma lei irrealista”.

Carlos César defendeu que o entendimento alcançado é “alargado”, e ressalva que a “redação que o PS propõe deve ser interpretada em conjunto com a base 6” da Lei. Nesta base determina-se “a responsabilidade máxima do Estado na prestação de cuidados de saúde, que em termos supletivos e temporários devidamente fundamentados e a título excecional pode ser assegurada pelo setor privado e social”, explicou.

António Costa mostrou-se também confiante de que a proposta poderá ser promulgada. “A lei cujo entendimento foi agora alcançado respeita plenamente aquilo que eram as reservas e linhas vermelhas traçadas pelo Presidente da República”, disse em declarações aos jornalistas em Odivelas, transmitidas pela RTP3.

O primeiro-ministro reforçou também que a proposta prevê que “as relações com o setor privado têm de ter natureza excecional, supletiva e temporário” e que é nesse quadro que “eventualmente poderá vir a haver PPP no futuro”. Reiterou ainda que “esta é a leitura a fazer do documento”.

Com este acordo, passa para a próxima legislatura a definição de qual é o modelo de gestão dos estabelecimentos do SNS. Tendo em conta esta discussão futura, Pedro Filipe Soares apontou que o Bloco quer “garantir que não há mais PPP”. A votação final global da Lei de Bases de Saúde terá de acontecer até 19 de julho, próxima sexta-feira, que será o último plenário da legislatura.

As PPP foi o ponto que gerou maior discordância durante a discussão deste documento, já que o PCP e o Bloco queriam retirar da Lei de Bases da Saúde a possibilidade da gestão privada. Em resposta a estas exigências, os socialistas apresentaram no mês passado um texto de alteração que limitava as PPP, mas mesmo assim permitia a sua existência.

Já no final de junho, depois de não conseguir chegar a acordo com a esquerda, o PS virou-se para o PSD para ir com esta lei para a frente, mas as negociações falharam quase antes de começarem. Os socialistas sinalizaram que poderiam tentar encontrar uma solução com o PSD, e Rui Rio apresentou os três pontos que o partido queria revisitar nas negociações. Mas o PS não aceitou esses pontos, argumentando que iriam reabrir o debate sobre mais de vinte bases e foi assim necessário regressar à casa da partida. No Parlamento, António Costa até admitiu preferir manter a atual Lei de Bases a aprovar um diploma que arriscava ser revogado na próxima legislatura. Mas a geringonça voltou a funcionar para garantir a aprovação de uma nova Lei de Bases na Saúde.

(Notícia atualizada às 19h50)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Depois do PCP, Bloco também chega a acordo com o PS na Lei de Bases de Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião