“Sozinhos e perdidos nas contas”. É assim que Centeno descreve a direita nesta legislatura

O ministro das Finanças defendeu que o tempo das derrapagens e dos orçamentos retificativos pertence ao passado e considerou que o PSD e o CDS estiveram na presente legislatura "sozinhos e perdidos".

“O tempo dos orçamentos retificativos e das derrapagens orçamentais é hoje passado. Se tivesse de usar um título para um filme do que teria sido esta legislatura para a nossa direita, então eu colocava o seguinte: ‘Sozinhos e perdidos nas contas’. Foi isso que aconteceu exatamente ao longo da presente legislatura”, disse o ministro das Finanças, Mário Centeno, durante a sessão “Contas Certas”, que fez parte da convenção nacional do PS que aprovará o programa eleitoral do partido para as legislativas de 2019.

O ministro das Finanças é, a par do secretário -geral do PS, António Costa, uma figuras em destaque deste evento que, além de apresentar os compromissos para os próximos quatro anos, faz, também um balanço da última legislatura. Justificando o título da sessão, Centeno afirmou que, ao longo dos últimos quatro anos, o Governo de António Costa “prestou as contas aos portugueses anos após ano”, ao contrário da direita, que classificou de “sozinha e perdida”.

“O Governo do PS apresentou um plano e cumpriu”, disse. “Sabíamos que tínhamos de mudar de políticas. Era necessário e crucial para o futuro do país que, em 2015, o Governo apresentasse um programa distinto daquilo que tinha acontecido nos últimos anos”, continuou.

“Se hoje temos mais emprego, mais produção e mais rendimentos, temos, também, menos dívida, pagamos muito menos juros do que pagávamos e temos muito menos desemprego”, afirmou o ministro, fazendo um balanço desta legislatura. Ao seu lado, estavam projetados alguns daqueles que, para o PS, são objetivos “prometidos e cumpridos”: mais produção, mais investimento e melhor.

Classificando os quatro anos que passaram com um “sucesso”, o ministro das Finanças frisou que apenas foi possível porque houve preparação. “Cumprimos porque nos preparámos (…) e estamos a voltar a preparar para a próxima legislatura”, afirmou. “Nenhuma economia consegue crescer de forma sustentável se não tiver um sistema financeiro que acompanhe esse crescimento”, rematou.

“Nenhum Governo pode apresentar-se com um programa que se limita a contas certas”

Ao lado de Mário Centeno estava, também, o ministro do Planeamento, Nelson de Souza, e os secretários de Estado Ricardo Mourinho Félix e João Leão. Nelson de Souza admitiu, por sua vez, que ainda existem “muitos desafios e muitas questões para superar”.

O ministro do Planeamento afirmou também que “nenhum Governo poderá apresentar-se hoje com um programa que se limita a contas certas”. “É a vida para além do défice que deve constituir o centro das nossas propostas. Será por elas que os portugueses votarão”, disse.

Contudo, Nelson de Souza salientou que “sem contas certas não há vida para além do défice”. “Pelo contrário, com contas certas, haverá mais e melhor vida para além do défice”, acrescentou. O secretário de Estado Mourinho Félix preferiu destacar que o investimento nos serviços públicos existiu. “Mentem aqueles que dizem que não investimos”, referiu, dando como exemplo o aumento do número de professores nas escolas.

“Aqueles que teimam em apocar o crescimento português ignoram que o país conseguiu reduzir a dívida, aumentar o investimento e aumentar as exportações. É um fenómeno que acontece muito poucas vezes nos países”, afirmou, acrescentando que os desvios face ao que foi projetado em 2015 “são muito reduzidos e são sempre para melhor”. “Foram contas certas que não precisaram de ser retificadas”, disse João Leão.

(Notícia atualizada às 12h50)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Sozinhos e perdidos nas contas”. É assim que Centeno descreve a direita nesta legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião