Escândalos tramam pub na internet. Cresce ao ritmo mais lento desde 2001

As marcas estão a distanciar-se da publicidade digital perante o risco de serem associadas a conteúdo nocivo. Ao mesmo tempo, o cinema enquanto meio publicitário está a ganhar dinâmica.

A publicidade na internet está a desacelerar e a rede global prepara-se para perder o estatuto de meio publicitário de maior crescimento do setor, já no próximo ano. Em 2020, o meio que mais vai crescer deverá ser o cinema, de acordo com dados citados pelo The Guardian.

Desde a “bolha” tecnológica de 2001 que o mercado publicitário da internet não crescia tão devagar, devendo ser ultrapassado pelo grande ecrã. Estimativas da agência de meios Zenith colocam a internet a crescer 10% no ano que vem, enquanto é esperado que o cinema enquanto meio publicitário cresça 12%.

Esta inversão está associada às preocupações das marcas, que não querem assumir o risco de serem associadas a conteúdo nocivo na internet. Nos últimos anos, alguns anúncios de empresas foram exibidos pelo YouTube lado a lado com propaganda terrorista e mesmo o escândalo da Cambridge Analytica e as fake news não têm abonado a favor da reputação deste meio.

Ao mesmo tempo, as estimativas apontam para que a publicidade no cinema esteja bem viva, fruto de maiores investimentos em tecnologia, quer nos efeitos especiais, quer na própria experiência do utilizador durante a sessão. Um indicador que ganha ainda mais relevância na era do streaming de conteúdos, dominado por empresas como a Netflix e a HBO.

A notícia é um alerta do mercado ao Facebook e à Google, que ano após ano conquistam a esmagadora maioria dos novos anunciantes. As duas empresas dominam a indústria da publicidade na internet, mas têm sido acusadas de não tomarem medidas para combater o conteúdo nocivo nas suas plataformas.

Mas a informação é especialmente preocupante para o setor da comunicação social. Sobretudo numa altura em que muitos jornais estão a mudar os modelos de negócio para uma maior aposta no digital e nas receitas da publicidade.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Escândalos tramam pub na internet. Cresce ao ritmo mais lento desde 2001

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião