Listas de candidatos a deputados do PS aprovadas com votações entre 80 e 92%

  • ECO e Lusa
  • 24 Julho 2019

Sónia Fertuzinhos foi confirmada como cabeça de lista em Braga e Eduardo Cabrita é número dois em Setúbal e Matos Fernandes terceiro na listado Porto.

O presidente do PS anunciou esta quarta-feira que a Comissão Política Nacional do partido aprovou as listas de candidatos socialistas a deputados nas próximas eleições legislativas com votações entre os 80 e os 92%.

Carlos César anunciou este resultado no final de uma reunião, em Lisboa, que demorou cerca de duas horas e meia, menos do que o habitual em comissões políticas destinadas a aprovar listas de candidatos a deputados.

“As listas que o PS apresenta têm mais de 56% de mulheres entre os seus efetivos, respeitando assim a distribuição equilibrada em termos de género. Também têm a particularidade de terem sido aprovadas por voto secreto com votações que oscilaram entre os 80 e os 92%”, apontou o presidente dos socialistas, tentando aqui traçar uma linha de demarcação face ao PSD.

Para Carlos César, este processo constituiu “um momento de grande afirmação da unidade do PS, de renovação da sua energia e entusiasmo”.

“Já aprovámos o nosso programa [eleitoral no sábado passado] com uma participação muito vasta de quadros independentes e qualificados e com contributos da sociedade civil. Penso que este processo que agira se conclui habilita o PS, como nenhum outro partido – estando dotado de um programa baseado numa experiência de Governo bem-sucedida e na vontade de inovar e acolher novos contributos e novas pessoas – para prosseguir de forma vitoriosa com a confiança dos portugueses”, declarou.

Confrontado com o facto de as listas de candidatos a deputados do PS não terem agora representantes nem da CGTP-IN, nem da UGT, Carlos César contrapôs que o seu partido “tem nas suas listas personalidades que são pessoas sindicalizadas, que desde logo trabalham e têm um domínio em matérias laborais”.

“Nesta legislatura, discutimos um pacote sobre legislação laboral e ele não foi necessariamente discutido por sindicalistas. Foi discutido por deputados que têm uma especialidade nestas áreas. Isso aconteceu e voltará a acontecer”, alegou.

Já sobre as polémicas em torno das listas com as federações da Guarda e Braga, Carlos César negou a existência de “problemas específicos nessas áreas”. “Em todos os círculos eleitorais há pessoas que, naturalmente, achavam que um ou outro devia ter melhor posição, ou que deviam estar presentes certas pessoas e não outras. Isso é inevitável que aconteça num partido democrático, mas o que releva é que estas votações foram extraordinariamente impressivas”, sustentou o presidente do PS.

Sónia Fertuzinhos foi confirmada como cabeça de lista em Braga e Eduardo Cabrita é número dois em Setúbal e Matos Fernandes terceiro na listado Porto. Outra das novidades nas listas foi o facto de a deputada e constitucionalista Isabel Moreira, que ainda na terça-feira à noite se encontrava na 23.ª posição, ter passado para 16.º lugar — uma subida de última hora de sete lugares.

A lista de Setúbal é liderada pela secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, seguindo-se Eduardo Cabrita em segundo, a deputada Eurídice Pereira em terceiro e o secretário de Estado da Energia João Galamba em quarto. O secretário de Estado Adjunto do ministro das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, está na quinta posição em Setúbal, estando a deputada Catarina Marcelino em sexto e a porta-voz do PS, Maria Antónia Almeida Santos, em sétimo.

Em relação ao Porto, depois do cabeça de lista, que é o professor universitário e deputado Alexandre Quintanilha, e da investigadora Rosário Gamboa, que está em segundo lugar, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, que se filiou recentemente no PS, aparece na terceira posição. Ainda quanto à lista do Porto, em quarto lugar está a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e na quinta posição o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Listas de candidatos a deputados do PS aprovadas com votações entre 80 e 92%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião