Dos 3.300 escudos aos 600 euros. Como evoluiu o salário mínimo em 45 anos?

Foi há 45 anos que foi decretado o salário mínimo nacional. Na altura, essa remuneração estava fixada nos 3.300 escudos. Hoje está nos 600 euros mensais, depois de ter crescido 18,8% com Costa.

O salário mínimo nacional foi uma das conquistas da Revolução dos Cravos, tendo sido fixado em maio de 1974 nos 3.300 escudos. Hoje, 45 anos depois, a remuneração mínima mensal garantida está nos 600 euros, depois de ter subido quase 20% no decurso da legislatura de António Costa, e já ocupa um lugar intermédio na tabela europeia.

Era Avelino Pacheco Gonçalves então ministro do Trabalho do I Governo Provisório liderado por Adelino da Palma Carlos, quando o salário mínimo se tornou uma realidade em Portugal. O 25 de Abril tinha acontecido há apenas um mês e a nova remuneração garantida (fixada nos 3.300 escudos, o equivalente a 16,5 euros sem ter em conta a inflação) gerou uma corrida aos móveis e aos eletrodomésticos.

“A proposta que lancei foi de 4.000 escudos e a que foi aprovada, depois de largos dias de debate e análise em grupos de trabalho, foi de 3.300. Era um valor que abrangia 56% dos trabalhadores portugueses. E que representava um “escandaloso” aumento para muita gente“, chegou a lembrar Pacheco Gonçalves, em entrevista ao Público, em 2009.

Mais de quatro décadas depois, o salário mínimo nacional toca agora nos 600 euros mensais e há cada vez menos trabalhadores a auferir apenas este montante, isto é, a remuneração mínima garantida já não cobre mais de metade da população ativa, mas somente cerca de 20%. No último mês de 2018, apenas 19,6% dos trabalhadores lusos ganhavam o salário mínimo, ou seja, menos de um quinto dos portugueses ganhou os tais 580 euros, valor em que estava fixado o salário mínimo, no último ano.

No ano em que foi introduzido o Euro em Portugal, salário mínimo estava nos 348 euros

Fonte: PORDATA

De notar ainda que, de abril a junho do ano passado, o número de trabalhadores a receber esta remuneração garantida registou, pela primeira vez na história, um recuo homólogo depois de uma atualização do salário mínimo.

A propósito, no início desse ano e à semelhança do que tinha acontecido nos dois anos anteriores (2017 e 2016) e do que viria a acontecer em 2019, o salário mínimo dava mais um passo na direção do objetivo traçado pelos socialistas no seu programa eleitoral de 2015: os 600 euros mensais. Esse valor acabou por ser atingido no início deste ano, ainda que sem ter sido possível chegar a acordo no seio da Concertação Social, com os sindicatos a exigir montantes superiores ao sugerido pelo Governo.

Portanto, no seu primeiro ano como primeiro-ministro, António Costa fez subiu o salário mínimo de 505 euros para 530 euros; em 2017, passou-o para 557 euros; em 2018, para 580 euros; e em 2019, para 600 euros. Tudo somado, está em causa um salto de 18,8% (2019 face a 2015), em termos nominais, no curso desta legislatura.

Os 600 euros mensais colocam, além disso, Portugal a meio da tabela europeia, com a Bulgária (cerca de 425,4 euros mensais), a Letónia (368,6 euros mensais) e a Roménia (382,3 euros mensais) na base do ranking. São, por outro lado, o Luxemburgo (1.775,2 euros mensais), Irlanda (1.149,6 euros mensais) e Holanda (1.384,97 euros mensais) os países com os salários mínimos mais elevados.

Fora desta tabela ficam seis Estados-membros, que continuam sem decretar a remuneração mínima garantida e a recorrer a sistemas de acordo coletivo. São eles a Dinamarca, a Itália, o Chipre, a Áustria, a Finlândia e a Suécia.

É no Luxemburgo que se recebe o maior salário mínimo

Fonte: Eurostat e ECO (cálculos dos salários em 14 meses)

Por cá, a perspetiva dos partidos que estão na corrida legislativa é a de que o salário mínimo deverá continuar a aumentar. A CDU (PCP e PEV coligados) defende a subida para 850 euros; o Bloco de Esquerda propõe um salto para 650 euros, em janeiro do próximo ano, tanto no público como no privado; e à direita, também Rui Rio também quer aumentar o salário mínimo, mas ainda não disse em quanto; já o PS, ainda não adiantou pontos sobre esta matéria, tal como o CDS. Isto quando, no final de 2018, as confederações patronais foram claras na sua recusa, salientando não haver condições para dar mais esse passo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dos 3.300 escudos aos 600 euros. Como evoluiu o salário mínimo em 45 anos?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião