Ministro Eduardo Cabrita ataca presidente de Mação. Vasco Estrela já respondeu

  • ECO
  • 24 Julho 2019

O ministro da Administração Interna e o presidente da Câmara de Mação envolveram-se numa polémica com trocas de acusações por causa do Plano Municipal de Emergência.

Está instalada a polémica entre o ministro da Administração Interna e o presidente da Câmara de Mação. Depois de Vasco Estrela ter criticado o Governo por só ter aprovado o Plano Municipal de Emergência do concelho na terça-feira, já em pleno incêndio que se alastrou a partir de Vila de Rei, o ministro Eduardo Cabrita entrou em direto na RTP para, entre outras coisas, acusar o autarca de ser “um verdadeiro comentador televisivo”.

Mação tem sido um dos concelhos mais afetados pelos incêndios nos últimos anos, tendo sido bastante fustigado pelas chamas em 2017 e novamente este ano. Uma situação que levou Vasco Estrela a que, em várias intervenções públicas, tenha tecido duras críticas ao Governo por causa dos “poucos meios” de combate ao incêndio naquele concelho. Críticas que foram recebidas pelo ministro Eduardo Cabrita como sendo “provocações”, disse o próprio esta terça-feira à noite, numa entrevista em estúdio ao Telejornal.

“Os [autarcas] de Vila de Rei ativaram imediatamente os seus Planos Municipais de Emergência e prestaram todo o apoio logístico necessário para operações de grande dimensão. [Já o] senhor presidente da Câmara de Mação […] optou por não promover a ativação do Plano Municipal de Emergência, não dar qualquer cooperação a favor do esforço da Proteção Civil e ser um verdadeiro comentador televisivo. A seguir a cada briefing, aparecia logo a fazer comentários”, disse Eduardo Cabrita, citado pelo Observador.

Em contrapartida, o autarca de Mação já tinha garantido que o Governo manteve o plano na gaveta desde fevereiro, altura em que foi apresentado, e que só o aprovou já na manhã da terça-feira, assumindo que, “na prática, não muda nada”.

Já depois das declarações do ministro na RTP, o social-democrata Vasco Estrela disse à TSF que “é indigno o ataque do ministro”, garantindo ter recebido as declarações com “total surpresa”. “Nunca pensei que o ministro vivesse tão mal com opiniões divergentes e que quando confrontado com críticas claras e objetivas e factuais reagisse dessa maneira. Lamento que tenha estado comigo às 15h00 [de terça-feira] e não tenha tido a coragem de dizer olhos nos olhos aquilo que foi dizer para a televisão”, rematou o autarca. E esta quarta-feira, na antena da RTP 3, o mesmo autarca confirmou que, de facto, o plano de emergência não foi “formalmente ativado”. Mas “foi posto em prática naquilo que era o seu essencial”.

O incêndio que afetou Mação começou em Vila de Rei este sábado. Terá sido dominado em Vila de Rei durante a madrugada desta quarta-feira, e em Mação queimou zonas que já tinham ardido em 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro Eduardo Cabrita ataca presidente de Mação. Vasco Estrela já respondeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião