Centeno chega a meio do ano com défice a encolher. Cai para 536 milhões

O défice orçamental até junho ficou em 536 milhões de euros, uma melhoria de 2.117 milhões face ao período homólogo. Receitas continuam a crescer cinco vezes mais do que a despesa.

O Governo chegou a meio do ano com um défice de 536 milhões de euros, o que representa uma melhoria de 2.117 milhões de euros face ao período homólogo, revela o ministério das Finanças em comunicado. Em maio, o défice era de 637 milhões, ou seja, junho trouxe uma melhoria na execução orçamental, com as receitas a manterem um bom ritmo de crescimento, cinco vezes acima do aumento da despesa.

Esta evolução não conta ainda com o impacto das novas regras de aperto orçamental, que entraram em vigor apenas no final do mês de junho e que vão impor cativações face às despesas previstas no Orçamento do Estado para 2019.

O ministério de Mário Centeno sublinha que o “saldo orçamental reflete o bom momento da economia e rigor orçamental”, sem antecipar qualquer perspetiva sobre o cumprimento do objetivo de 0,2% do PIB previsto para o défice — há um mês o gabinete das Finanças falava em “viabilidade do cumprimento” das metas orçamentais.

A 14 de agosto o Instituto Nacional de Estatística (INE) revela a primeira estimativa das contas nacionais onde apurará o défice em função do andamento da economia no primeiro semestre. No primeiro trimestre, o Governo apurou um excedente orçamental de 0,4% do PIB, em contabilidade nacional, a ótica que interessa a Bruxelas.

Receitas crescem cinco vezes mais que a despesa

Em termos gerais, a execução orçamental revela a diferença entre as receitas obtidas com impostos e despesas com serviços públicos. Um défice orçamental significa que o Governo está a ter mais despesas do que receitas. Ainda assim, os dados da execução orçamental revelam um bom andamento na arrecadação de receitas pelo Estado, que crescem quase cinco vezes mais do que as despesas.

As Finanças explicam que a “dinâmica da receita é essencialmente justificada pelo bom desempenho da economia”.

Acrescentam: “A receita fiscal cresceu 7,6%, com destaque para o aumento do IVA de 9,3%, do ISP em 11,2% e do IRS em 3,7%”, diz o Ministério das Finanças. “Este crescimento ocorre apesar da redução da carga fiscal associada a vários impostos, como o IRS (pelo impacto da reforma do número de escalões), o IVA (pela diminuição da taxa de vários bens e serviços) e o ISP (pela redução da taxa aplicada à gasolina em três cêntimos)”.

Também “comportamento positivo do mercado de trabalho” está a dar uma ajuda no lado da receita, com as contribuições para a Segurança Social a crescerem 8,6% até junho.

No prato da despesa, o ministério adianta que a despesa primária — exclui o pagamento de juros da dívida — cresceu 2,9%, “influenciada pelo efeito do perfil mais acentuado de reforços no SNS para regularização de dívidas de anos anteriores assumido em 2018, quando comparado com o de 2019”.

A despesa com salários aumentou 4,3%, “refletindo o descongelamento das carreiras”. Já as despesas com prestações sociais (prestação para a inclusão, subsídio de desemprego, abono de família e ação social) subiram pouco mais de 5%.

Por fim, o Executivo destaca os aumentos do investimento na CP (56%) e na Infraestruturas de Portugal (63%). No geral, o investimento público na administração central aumentou 26%, excluindo as PPP.

(Notícia atualizada às 16h46)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno chega a meio do ano com défice a encolher. Cai para 536 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião