Construção e indústria criam 80% do emprego no norte

O emprego da região norte cresceu 1,9%. Indústria e construção representam quase 80% de todo o crescimento observado no emprego.

A indústria e a construção são setores de peso na região norte. No primeiro trimestre de 2019, a indústria e a construção contribuíram com 1,5 pontos percentuais para o crescimento de 1,9% do emprego total da região. Dos cerca de 31 mil empregos criados por todos os ramos de atividade, cerca de 18 mil (59%) tiveram origem no ramo da construção e mais de seis mil (21%) vieram das indústrias transformadoras, segundo o relatório trimestral da Norte Conjuntura, divulgado esta segunda-feira.

No primeiro trimestre de 2019, só as indústrias transformadoras (446,9 mil indivíduos) e a construção (124,9 mil) empregaram quase 600 mil pessoas, o que representa 33% do emprego total da região, 26,1% e 7,3% respetivamente. Segundo o relatório trimestral, estes dois setores têm observado uma evolução distinta ao longo dos últimos seis anos de recuperação económica.

Emprego na região em crescimento

A região norte completou seis anos sucessivos de crescimento homólogo no que respeita à taxa de emprego. Entre o primeiro trimestre de 2013 e o primeiro trimestre de 2019, o número de pessoas empregadas na região aumentou em 188 mil, o que representa 36% de todo o emprego criado em Portugal.

Neste cenário de crescimento as exportações têm uma quota significativa. O valor das exportações de mercadorias por parte de empresas da região aumentou 2,3%, em termos homólogos, traduzindo-se numa ligeira aceleração face ao trimestre precedente. Esta aceleração resultou, em particular, do forte crescimento das exportações de automóveis, outros veículos terrestres, partes e acessórios (7,6%).

O ramo da construção foi mesmo o mais dinâmico durante o primeiro trimestre de 2019. Em termos homólogos, o emprego na construção cresceu 17,2%, os edifícios licenciados para habitação aumentaram 13,3% e a avaliação bancária das habitações cresceu 6,9%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Construção e indústria criam 80% do emprego no norte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião