SAG sai de bolsa. Investidores têm três meses para vender ações

A CMVM aprovou o pedido de perda de qualidade de sociedade aberta da SAG, com efeito a partir desta terça-feira. Investidores que ainda têm ações da empresa têm 3 meses para vendê-las a 6,15 cêntimos.

A bolsa nacional perdeu mais uma cotada. A SAG deixou de cotar na praça bolsista nacional nesta terça-feira, depois de a CMVM ter aprovado o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta. Os investidores que ainda detenham títulos da empresa têm agora os próximos três meses para venderem os títulos. Têm direito a 6,15 cêntimos por cada ação detida.

“A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) informa que em reunião do seu Conselho de Administração, realizada em 30 de julho de 2019, foi deliberado deferir, com efeitos a esta data, o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta da SAG GEST”, diz o regulador do mercado de capitais em comunicado.

O pedido de perda da qualidade de sociedade aberta foi feito por João Pereira Coutinho, CEO e principal acionista da empresa, a 3 de julho, após ter passado a deter 95,05% do capital social na sequência da oferta pública de aquisição (OPA) cujos resultados foram divulgados ao mercado a 1 de julho.

No seguimento dessa retirada, a CMVM dá conta que compete agora à IAMC – Investments and Assets Management Consulting, sociedade integralmente controlada, direta e indiretamente, por João Pereira Coutinho – e também acionista da SAG –, a obrigação de adquirir as ações ainda detidas pelos restantes acionistas da SAG. O regulador acrescenta que essa aquisição será feita “pelo prazo de três meses a contar da presente publicação e ao preço unitário de 0,0615 euros por ação“.

O preço unitário corresponde à contrapartida oferecida na OPA de João Pereira Coutinho lançada no final do mês de abril, no âmbito da venda da SIVA ao grupo Porsche que serviu para garantir a “continuidade das operações” do importador de automóveis e assim assegurar 650 postos de trabalho. Foi aprovada a venda da SIVA por 1 euro.

(Notícia atualizada às 18h53)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SAG sai de bolsa. Investidores têm três meses para vender ações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião