EDP já tem cinco propostas para a compra de ativos

  • ECO
  • 2 Agosto 2019

A Iberdrola, a Engie e a Endesa são três das muitas empresas interessadas em adquirir os ativos de energia hidroelétrica que a EDP está a vender. Um negócio de dois mil milhões de euros.

A EDP recebeu, pelo menos, cinco propostas não vinculativas para a aquisição de ativos de energia hidroelétrica que a empresa está a vender. O prazo terminou na quarta-feira e, além da Iberdrola e da Endesa que foram conhecidas logo no dia seguinte, também a Engie — com quem a EDP criou recentemente uma joint-venture — e os fundos de investimento Ardian e Brookfield terão formalizado o interesse, segundo o Cinco Días.

António Mexia, afirmou que a venda das barragens estava a gerar um “forte interesse do mercado”. Um negócio que deverá permitir em encaixe de dois mil milhões de euros à empresa liderada por António Mexia.

Como já tinha anunciado, a EDP vai realizar vários processos de venda de ativos de forma a encaixar seis mil milhões de euros. O objetivo é financiar futuros projetos renováveis, incluindo um portfólio de ativos (redes e hidráulica) na Península Ibérica, e a maioria deles em Portugal.

Entre as empresas e fundos que receberam a documentação, estavam a Repsol, a Iberdrola, a Naturgy, a Endesa, a Engie e a Brookfield, os fundos do Macquarie (através a espanhola, a Viesgo) e a alemã Aquila Capital. Tal como a Iberdrola, a Repsol descartou desde o início fazer qualquer oferta, apesar de ter recebido o convite dos bancos contratados pela EDP (Morgan Stanley e UBS).

O presidente executivo da Endesa, disse ainda esta semana que para além do interesse em adquirir os ativos da EDP, a empresa está interessada em todas as oportunidades que surjam para crescer no mercado ibérico.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP já tem cinco propostas para a compra de ativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião