Guerra comercial penaliza Europa. Lisboa bate mínimos de janeiro

O escalar da guerra comercial entre os EUA e a China levou a uma maré vermelha nas bolsas. Lisboa não escapou às perdas e segue a perder mais de 1%, batendo mínimos de janeiro.

A Europa está pintada de vermelho e Lisboa não é exceção. As tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo estão a ter repercussões nas restantes bolsas, levando os índices a perdas acentuadas. O PSI-20 está a desvalorizar mais de 1%, com a maioria das cotadas no vermelho, principalmente a Galp Energia e o BCP.

A guerra comercial continua a mexer com o mundo e, claro, com os mercados. Depois de Donald Trump ter decidido aplicar novas tarifas a produtos importados da China, Pequim decidiu retaliar e reduzir as importações de produtos agrícolas provenientes dos Estados Unidos, contrariando as intenções iniciais de as aumentar. Os efeitos não demoraram a ser sentidos, começando pela desvalorização da moeda chinesayuan.

Arrastadas foram, claro, as bolsas asiáticas e ainda as bolsas europeias. O Stoxx-600 está a cair 1,49% para 3.325,85 pontos, tocando mínimos de dois meses. O espanhol Ibex-35 perde 1,23%, enquanto o francês CAC-40 recua 1,85%. Incluída está Lisboa, que não conseguiu escapar às perdas.

“As bolsas abrem em baixa, com o acentuar das tensões comerciais entre os EUA e a China”, diz Carla Maia Santos, Sales Team Leader da XTB, citada pela Reuters. “Os ativos de refúgio disparam, como o iene [moeda japonesa], o franco suíço e o ouro. Por outro lado, as bolsas entram em sell off“.

Lisboa perde mais de 1% com maioria das cotadas no vermelho

O PSI-20 abriu a desvalorizar cerca de 0,6%, mas depressa agravou as perdas. O índice segue a recuar 1,13% para 4.848 pontos, batendo mínimos de 3 de janeiro e caminhando para a segunda sessão consecutiva de perdas. De entre as 18 cotadas nacionais, a maioria está a cotar no vermelho, muitas delas a serem diretamente penalizadas pelo desempenho do mercado chinês.

A pressionar Lisboa estão as ações da Galp Energia, que estão a desvalorizar 1,82% para 13,205 euros, numa altura em que o preço do barril de petróleo está em queda nos mercados internacionais. O Brent está a cair 1,24% para 61,12 dólares, enquanto o WTI está a perder 1,4% para 54,86 dólares.

Ainda no setor energético, a EDP abriu a subir, mas segue agora a perder 0,39% para 3,31 euros, enquanto a EDP Renováveis se mantém inalterada.

Destaque ainda para os títulos do BCP que perdem 1,53% para 0,2188 euros, caminhando para a nona sessão consecutiva de perdas. “As ações do banco foram fundamentalmente condicionadas pelo comportamento do setor na Europa”, lê-se na nota diária do Caixabank BPI.

No setor do retalho, a Jerónimo Martins está a perder 1,31% para 13,985 euros, enquanto a Sonae recua 1,34% para 0,813 euros.

No vermelho estão também as papeleiras, com destaque para a Altri, cujos títulos desvalorizam 1,37% para 5,41 euros e para a Navigator, cujas ações perdem 1,31% para 2,86 euros. “A China é um dos maiores compradores de pasta de papel a nível mundial. Esta guerra [comercial] pressiona as empresas do setor do papel, como a Altri e a Navigator”, diz Carla Maia Santos, Sales Team Leader da XTB, citada pela Reuters.

Por outro lado, a impedir quedas mais expressivas do índice nacional está a REN, que soma 0,2% para 2,485 euros, enquanto a maior subida da sessão está a ser da Ibersol, cujas ações valorizam 1,24% para 8,16 euros.

(Notícia atualizada às 10h50 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra comercial penaliza Europa. Lisboa bate mínimos de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião