Comissão Europeia tem quase 900 vagas para estágios remunerados. Veja como concorrer

  • ECO
  • 7 Agosto 2019

A Comissão Europeia está à procura de profissionais de várias áreas, entre as quais psicologia, desporto e engenharias, para estágios remunerados. Candidaturas decorrem até 30 de agosto.

A Comissão Europeia tem em aberto quase 900 vagas para estágios remunerados de cinco meses em organismos da União Europeia (UE), localizados em vários países. Procuram-se profissionais de várias áreas que devem candidatar-se até 30 de agosto.

Os estágios vão decorrer de 1 de março a 31 de julho de 2020 e os selecionados serão remunerados com 1.196,84 euros mensais, de acordo com a informação que consta no anúncio.

Há vagas para várias áreas, desde “psicologia, desporto, engenharia, economia, gestão, direito, entre outras”, isto porque “a Comissão Europeia tem tantas direções gerais e tantos departamentos” que qualquer área está a admitir estagiários, explicou Zélia Dias, do departamento de Informação e Comunicação do Centro de Informação Europeia Jacques Delors, ao Público.

No que diz respeito aos requisitos, é preciso ter, pelo menos, uma licenciatura e conhecimentos avançados de duas línguas oficiais da UE (Nível C) — sendo uma delas inglês, francês ou alemão. Além disso, os candidatos devem pertencer a um dos Estados-membros da UE ou dos países candidatos que beneficiam de uma estratégia de pré-adesão, não podendo ter beneficiado de outro estágio numa instituição ou órgão comunitário superior a seis semanas.

As candidaturas são feitas através do site Blue Book Traineeship e encerram a 30 de agosto. Caso passem à fase seguinte, os selecionados farão uma entrevista por telefone ou Skype.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia tem quase 900 vagas para estágios remunerados. Veja como concorrer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião