Dia 4: Greve arrefece e motoristas pedem mediação

Ao quarto dia de greve, num feriado, os serviços mínimos não só foram cumpridos como foram "ultrapassados". Com os colegas da Fectrans a fecharem um acordo, sindicatos decidiram pedir mediação.

A Fectrans negociou com a Antram um acordo, mas a greve manteve-se porque as condições acordadas não são as exigidas pelos dois sindicatos independentes em greve. Greve essa que perdeu força, com os serviços mínimos a serem cumpridos e “ultrapassados”, o que levou os motoristas de matérias perigosas a pedirem formalmente a mediação do Governo. Fique a par da atualidade: consulte a quarta edição do Diário da Greve.

Notícia do dia 📰

Motoristas de matérias perigosas pedem mediação do Governo

Depois de uma reunião na Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT), que não contou com a presença da Antram, os motoristas de matérias perigosas pediram formalmente a mediação do Governo no conflito com a Antram.

O pedido formal surgiu depois de a Antram, desafiada a negociar, não ter comparecido por recusar protagonizar qualquer negociação enquanto a paralisação estiver em curso. Perante o pedido formal de mediação, o Governo terá três dias para nomear um mediador, que deverá reunir de forma autónoma com motoristas e patrões. Mas a greve dos motoristas, essa, é para manter.

Frase do dia 💬

“Se [o fim da greve] é a única cedência que a Antram espera da nossa parte, a resposta está dada: a Antram não quer negociar.”

Todas as atenções estiveram postas na reunião das 15h00, que surgiu num “desafio” à Antram feito na quarta-feira pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). À entrada da reunião, numa altura em que já era evidente que a Antram não iria estar presente, o presidente do sindicato, Francisco São Bento, declarou aos jornalistas que a associação “não quer negociar”.

Imagem do dia 📷

Francisco São Bento (à esquerda) e Pedro Pardal Henriques (à direita), os rostos do sindicato dos motoristas de matérias perigosas, à chegada à DGERT.RODRIGO ANTUNES / LUSA

Quando o presidente e o advogado do principal sindicato grevista chegaram à DGERT para encararem o “desafio” que fizeram à Antram, ainda havia esperança de que a associação dos patrões cedesse e se juntasse ao encontro. Mas rapidamente se percebeu que os representantes dos motoristas só iriam reunir com o Governo, uma vez que decidiram não desconvocar a greve, como exigia a associação dos patrões. Com um acordo fechado à parte pelos colegas da Fectrans, acabaram por pedir formalmente a mediação do Governo.

Ponto de situação nas bombas ⛽

Com os serviços mínimos cumpridos, o Governo anunciou que, esta quinta-feira, pela primeira vez desde o início da greve, os stocks de gasóleo no Algarve subiram para níveis próximos da média nacional. Uma notícia positiva, tendo em conta que a região tem sido uma das mais afetadas pela falta de combustíveis.

Por volta das 17h30, segundo a plataforma não oficial #JáNãoDáParaAbastecer, num universo de 2.955 postos de abastecimento, 761 não tinham gasóleo (vs. 830 na quarta-feira) e 544 não tinham gasolina (vs. 601 na quarta-feira).

No que toca à REPA, 61 de 331 postos disponíveis aos cidadãos não tinham gasóleo e 34 não tinham gasolina. Na REPA apenas disponível para os meios de socorro e veículos equiparados (como as carrinhas de valores), 2 em 55 não tinham gasolina e 5 não tinham gasóleo. Um cenário mais animador do que na quarta-feira.

Ponto de situação nas negociações 🤝

O acordo entre a Antram e a Fectrans — federação sindical que não aderiu à greve — foi fechado na quarta-feira à noite, com aumentos que poderão chegar aos 266 euros mensais para os motoristas de matérias perigosas. Mas o documento não foi aceite pelos dois sindicatos que promoveram a greve, que decidiram manter a paralisação.

O SNMMP esperou pela Antram na DGERT, mas a associação não compareceu, porque a greve não foi desconvocada, como era exigido. Face a isto, os trabalhadores pediram formalmente ao Governo a mediação do conflito, numa altura em que entrou em cena um negociador externo da parte dos sindicatos: Bruno Fialho, um experiente negociador do sindicato do Pessoal de Voo da Aviação Civil.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dia 4: Greve arrefece e motoristas pedem mediação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião