Cobrança coerciva dá mais 100 milhões ao Estado. É o valor mais alto de sempre

  • ECO
  • 16 Agosto 2019

O Estado cobrou de forma coerciva mais 22% do que no primeiro semestre de 2018. Em causa está o valor mais alto de sempre a entrar nos cofres do Estado, nos primeiros seis meses do ano.

Nos primeiros seis meses do ano, o Estado cobrou mais de 533,6 milhões de euros de dívidas ao Fisco, depois de ter terminado o período de liquidação voluntária dos impostos em falta. Em causa está um salto de 22% em termos homólogos, segundo indicam os dados da Direção-Geral do Orçamento (DGO), citados pelo Diário de Notícias (acesso pago), esta sexta-feira. O valor conseguido pelo Estado através de cobranças coercivas é o mais alto de sempre, durante o primeiro semestre do ano.

De acordo com a conta provisória do Estado, são os impostos diretos (IRS e IRC) que mais pesam no montante arrecadado. Foram cobrados 256,8 milhões de euros, na primeira metade do ano, mais 30% do que no mesmo período de 2018, altura em que o montante arrecadado tinha sido de 198 milhões de euros.

A segunda maior fatia das cobranças coercivas está ligada aos impostos indiretos (IMI, IVA, IUC, ISP). Nesse ponto, entraram nos cofres do Estado 135 milhões de euros, o que equivale também a uma subida homóloga, embora mais modesta: apenas 11%.

No que diz respeito a taxas, multas e outras penalidades, o valor subiu 27% em termos homólogos para 112,7 milhões de euros. No capítulo da “má cobrança”, nota para os mais de 3,7 milhões de euros em cheques sem cobertura entregues ao Estado, valor que representa o triplo do valor alcançado no primeiro semestre do ano passado. Foi nos impostos indiretos que mais se registaram “cheques careca”.

De acordo com o Plano de Atividades, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) pretende cobrar de forma coerciva, este ano, entre 945,9 milhões de euros e 1,1 mil milhões de euros. Na primeira metade do ano, o Fisco já conseguiu metade desse montante.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cobrança coerciva dá mais 100 milhões ao Estado. É o valor mais alto de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião