“Isto é uma terra de primos”. As frases mais emblemáticas de Alexandre Soares dos Santos

Alexandre Soares dos Santos, antigo líder do grupo Jerónimo Martins, morreu esta sexta-feira aos 84 anos.

Alexandre Soares dos Santos morreu esta sexta-feira, aos 84 anos de idade, depois de uma vida inteira dedicada ao grupo Jerónimo Martins. O “Sr. Jerónimo”, como tantas vezes foi tratado, era um dos homens mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em mais de três mil milhões de euros.

Para além do império, Soares dos Santos deixou também frases marcantes, algumas bastante polémicas. Direto e frontal — apesar de avesso aos holofotes –, Alexandre Soares dos Santos ia dizendo o que pensava e fazia-o de forma crua. Umas vezes era bem entendido, outras tanta era criticado. Essas críticas, aceitava-as, desde que não fossem ataques pessoais.

Defensor da Europa, costumava dizer que “não temos qualquer alternativa real à Europa”. Nos tempos mais recentes chegou a mostrar-se surpreendido positivamente com a gerigonça mas sempre foi dizendo que se não fosse português, não investia aqui“. Em causa estava a alta carga fiscal que recai sobre os contribuintes privados e sobretudo sobre as empresas.

A par de uma redução de impostos, Soares dos Santos defendia também bons salários para os trabalhadores porque “não há ninguém que vá trabalhar com gosto ganhando pouco. E o salário mínimo de 500 ou 520 euros não dá para nada”. Nessa matéria, chegou mesmo a apontar o dedo aos jornalistas por afirmarem que há reformas milionárias de cinco mil euros. “Onde é que isso é milionário?”, questionava, para acrescentar: “E quanto é que fica para a pessoa? Está tudo muito contente neste país. Porque somos miseráveis e gostamos de ser miseráveis”.

Sobre a vaga de investimento chinês que assolou Portugal, o empresário era bastante crítico. “Detesto investimento chinês, porque não traz coisíssima nenhuma, nem know how, nem sequer management“, costumava dizer.

Afirmava que Portugal devia ser juiz em causa própria, que é o mesmo que dizer que devia assumir os seus erros e as suas responsabilidades. E numa análise à sociedade, tinha uma visão refinada: “Isto é uma terra de primos e os primos passam a vida a fazer jeitos uns aos outros. Depois estouram-se todos”.

Longe da gestão diária do grupo, Alexandre Soares dos Santos dizia-se um homem feliz. “Sou um fulano muito estranho. Saí da Unilever ao fim de 40 anos e nunca mais lá voltei. Saí da Jerónimo Martins e não vou lá. Saio, não volto. Deixei o meu gabinete e acabou. Não me chateio com mais nada. Nem queiram saber como me sinto feliz”, disse.

 

 

 

Comentários ({{ total }})

“Isto é uma terra de primos”. As frases mais emblemáticas de Alexandre Soares dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião