Motoristas pedem mais do que Fectrans. Pedro Nuno Santos diz que greve “já é demais”

  • ECO e Lusa
  • 17 Agosto 2019

Greve de motoristas mantém-se depois de reunião de 10 horas nas Infraestruturas. Antram apela a associados para tomarem outra decisão em plenário e ministro diz que sete dias de greve "já é demais".

A reunião de 10 horas entre o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) com o Ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, não resultou em qualquer alteração na greve destes profissionais. Mesmo sem participar no encontro, a Antram colocou na mesa os mesmos termos negociados com a Fectrans e o Sindicato Independente, mas os representantes das matérias perigosas recusaram.

Trabalhámos em conjunto com o senhor ministro uma proposta que seria razoável para desbloquear a situação. A Antram rejeitou a proposta e a greve mantém-se”, afirmou Pedro Pardal Henriques, do SNMMP, no fim da reunião. Segundo o mesmo, a associação que representa as empresas ofereceu “a mesma proposta que tinha oferecido à Fectrans e ao SIMM“, o que foi recusado por não o verem como um bom acordo.

Já segundo Pedro Nuno Santos, ao longo das dez horas de reunião, e apesar das tentativas feitas pelo Governo para desbloquear o conflito, “houve propostas de parte a parte, tanto do sindicato como da Antram, que foram respetivamente recusadas”. Mas deixou um recado: “É muito raro em Portugal serem decretadas greves por tempo indeterminado. No domingo já são sete dias, acho que já é demais”, salientou o ministro.

Apesar de ter considerado a proposta que colocou em cima da mesa como “razoável”, o representante do SNMMP não revelou qualquer ponto das exigências apresentadas à Antram, falando apenas que a proposta de acordo “tinha uma melhoria substancial para os motoristas de matérias perigosas em vários fatores”.

Proposta “incomportável e discriminatória” e apelo ao plenário

Já para a Antram, o acordo proposto pelo SNMMP durante a reunião de sexta-feira é “incomportável, é discriminatório face aos colegas associados da Fectrans e do SIMM”, afirmou André Matias de Almeida, da Antram. A associação propôs por seu turno uma oferta “consonante com aquela que foi apresentada e assinada com a Fectrans e o SIMM, e essa foi proposta foi recusada pelo SNMMP que apresentou uma contraproposta”.

Sobre os termos exigidos pelo SNMMP, explicou Matias de Almeida, em causa está uma proposta “que representa um esforço elevadíssimo que pode representar um despedimento coletivo em muitas empresas”, isto quando a Antram já foi “além dos protocolos assinados em 17 de maio, subindo, por exemplo, o valor da cláusula 61.ª, de isenção de horário de trabalho, que tem o valor mínimo de 343 euros, do trabalho noturno, ajudas de custo, subsídio de cargas e descargas, e diuturnidades”, exemplificou.

E detalhou: “A proposta do SNMMP era de aumentar esse subsídio de operações 40% acima do protocolado em maio, no valor de 125 euros”, isto quando “na prática, os empregadores fizeram o esforço para irem mais além, mas na rubrica que é nova, o SNMMP quer mais 40%”.

André Matias de Almeida disse que a Antram espera agora que no plenário que o SNMMP vai realizar no domingo, em Aveiras de Cima, “haja uma sensibilização dos associados [do sindicato] e que possam compreender que as empresas estão no seu limite”.

Em carta enviada ao Ministério das Infraestruturas ainda durante a reunião da tutela com os representantes do sindicato, a que o ECO teve acesso, a Antram já tinha explicado que tem de “tratar todos os trabalhadores por igual e, nessa medida, não pode deixar de se disponibilizar para com este sindicato acordar nos moldes que o fez com os outros sindicatos“.

“Queremos acreditar que o SNMMP e os seus associados irão reconhecer o enorme esforço que a Antram e as suas representadas irão realizar ao longo dos próximos 3 anos para conseguirem honrar com aquilo a que se comprometem e que tal proposta representa o limiar máximo da sustentabilidade das empresas e, nessa medida, do emprego.”

A recusa do SNMMP surgiu depois de na quarta-feira a Antram ter fechado um acordo com a Fectrans e de na quinta-feira o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias ter decidido terminar a sua paralisação para retomar o diálogo com a associação que representa as empresas de transporte.

Comentários ({{ total }})

Motoristas pedem mais do que Fectrans. Pedro Nuno Santos diz que greve “já é demais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião