É possível suspender e retomar greve sem novo pré-aviso? Lei é omissa, mas especialistas validam opção dos motoristas

Pode um sindicato suspender a greve e retomá-la sem apresentar novo aviso prévio? Lei é omissa, mas tratando-se de greve por tempo indeterminado e uma suspensão com prazo fixo, especialistas validam.

Pode o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) suspender temporariamente a greve e retomá-la sem ter que apresentar um novo aviso prévio de greve? A dúvida, suscitada sobretudo pela figura da “suspensão” não estar prevista na legislação que regula as paralisações laborais, ganha novo relevo com a abertura anunciada esta sexta-feira pelos motoristas de matérias perigosas: podem suspender o protesto até ao próximo domingo desde que surjam novas negociações entretanto. Uma decisão “rara e atípica”, dizem os especialistas.

O burburinho causado pela abertura do SNMMP em suspender o protesto nas vésperas do fim de semana em que muitos turistas se preparam para ou regressar ou partir de férias, levou à multiplicação de contactos e, por fim, à ida do sindicato às instalações do Ministério das Infraestruturas. É no gabinete de Pedro Nuno Santos que aparentemente se encontra o centro nevrálgico da greve e suas sucessivas tentativas de resolução.

Pedro Nuno Santos nos últimos dois dias mediou um acordo com a Fectrans — que dificilmente teria surgido com tantos benefícios para os motoristas não fosse a greve de abril e a insatisfação dos motoristas de mercadorias — e com o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias. Porém, surgindo novos avanços desta nova reunião entre o SNMMP e o ministro, é legalmente possível suspender uma greve até à realização de um plenário para decidir se a greve se mantém? Palavra aos especialistas em Direito Laboral.

Situação rara e atípica, mas apoiada

“Trata-se de facto de uma situação juslaboral rara, para não a qualificar como atípica num movimento grevista”, começa por apontar Pedro da Quitéria Faria, advogado especialista em Direito Laboral e sócio da Antas da Cunha ECIJA ouvido pelo ECO. A questão é atípica porque simplesmente não está prevista na Lei, conforme explica Isabel Araújo Costa.

“Admito que possam existir dois entendimentos pois a lei não é clara num cenário destes. Não obstante, e no meu entendimento, poderá admitir-se a dispensa de um novo aviso prévio, uma vez que foi já adiantado que a própria suspensão durará apenas até domingo”, diz a especialista em direito Laboral sócia da Vieira Advogados. Entendimento partilhado por Pedro da Quitéria Faria.

Numa análise “literal e teleológica do regime da greve previsto no Código do Trabalho”, refere, “sou do entendimento que nos termos do art.º 539 do citado diploma legal, sendo a greve decretada por tempo indeterminado, e porque não existe acordo entre as partes, nem tão pouco, declaração inequívoca e perentória da entidade sindical que a promoveu que a mesma terminou, que a mesma possa licitamente ser suspensa, sem necessidade de posterior e nova promoção de outra greve, com o pré-aviso legal que seria aplicável de 10 dias úteis”.

Ou seja, e para que fique claro: “O SNMMP não deliberou o termo da greve, mas apenas a sua suspensão”, remata o sócio da Antas da Cunha ECIJA. E sendo a paralisação suspensa, não está em causa nenhum dos instrumentos que cessam uma greve tal como previstos no CT — acordo, termo declarado por quem a convocou e fim de período previsto — e, logo, não está em causa o fim da greve, pelo que exigir um novo pré-aviso “retiraria o efeito útil da presente”, diz.

Todavia, e “sem prejuízo” do seu entendimento, o especialista assume que “esta questão pode levantar mais uma vez, dúvidas juslaborais, fundadas e legítimas sobre a legalidade e efeitos da suspensão desta greve”.

Para Isabel Araújo da Costa, um ponto-chave na leitura legal desta suspensão prende-se com o facto da mesma, ao contrário da greve, ser decretada por tempo determinado — até domingo.

“A figura da suspensão vem aqui intervalar um ato – o aviso prévio de greve – que é único e que foi declarado através dos meios idóneos previstos na lei e dirigido às entidades competentes. Ora, sabem já os portugueses que a greve ficará suspensa até domingo, logo se não for alcançado um acordo até esse dia, a mesma deverá ser retomada a partir de segunda-feira por tempo indeterminado, conforme foi inicialmente declarada”, diz a sócia da Vieira Advogados ao ECO. Mas tal como Pedro da Quitéria Faria, a especialista levanta uma outra questão.

“O que poderá estar em causa e poderá levantar discussão – sem nunca colocar em causa o irrenunciável e incontestável direito à greve – é a questão de saber até que ponto pode uma greve manter-se quase ‘ad eternum’, em prejuízo de vários setores da sociedade“, questiona.

Também Luís Gonçalves Silva, outro especialista em Direito Laboral ouvido pelo ECO, sublinhou que a figura da suspensão de uma greve não está prevista na lei. Salientando desconhecer os contornos específicos da decisão tomada pelo SNMMP, o advogado explicou que uma greve suspensa apenas pode ser retomada sem aviso prévio, se essa data for conhecida à partida — ou seja, o domingo anunciado pelo SNMMP.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

É possível suspender e retomar greve sem novo pré-aviso? Lei é omissa, mas especialistas validam opção dos motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião