Número de créditos automóvel cai quase 18% em junho

  • Lusa
  • 16 Agosto 2019

Banco de Portugal informou que o número de créditos automóvel caiu 17,7% em junho, em comparação com igual mês de 2018, para 16.216. O número de créditos pessoais cedeu 4,8%.

O número de créditos automóvel caiu 17,7% em junho, em comparação com igual mês de 2018, para 16.216, segundo a informação disponibilizada esta sexta-feira na página do Banco de Portugal (BdP).

Por sua vez, no período de referência, o número de créditos pessoais cedeu 4,8% para 37.046, enquanto o de cartões e descoberto retrocedeu 7,2% para 61.869.

Já o montante de créditos automóvel desceu 18,5% para 228 milhões de euros, o de créditos pessoais recuou 3,2% para 261 milhões de euros e o de cartões e descoberto perdeu 8,6% para 76 milhões de euros.

“No mercado do crédito aos consumidores ocorre, por vezes, a concessão de crédito com subvenção por sociedade não financeira. Os contratos de crédito subvencionados são celebrados entre a instituição de crédito e o consumidor, mas parte do custo de crédito é suportada por uma entidade terceira. As taxas anuais de encargos efetivas globais (TAEG), que representam o custo do crédito para o consumidor, não refletem nestes casos todo o custo do crédito”, explicou o supervisor financeiro.

Neste sentido, no que se se refere à proporção de novos contratos de crédito aos consumidores com subvenção, destaca-se, no âmbito do crédito pessoal, a finalidade educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos que se fixou em 10,1% em junho, abaixo dos 68,3% registados no período homólogo.

No total dos contratos de crédito pessoal, automóvel, cartões e linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto, a proporção passou de 4,6% em junho do ano anterior para 5% em junho deste ano.

Por seu turno, na proporção do montante dos novos contratos de crédito aos consumidores com subvenção destaca-se, novamente, a finalidade educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos, que se fixou em 3,8% em junho deste ano, uma redução face aos 53,8% do período homólogo.

O total ascendeu a 6,3% em junho, enquanto em igual período de 2018 estava nos 6%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de créditos automóvel cai quase 18% em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião