Burnout: problema que pode ser evitado pelos líderes?

Os empregadores devem ajudar os colaboradores a alcançar um relacionamento mais positivo, equilibrado e saudável com o trabalho, segundo a empresa de recrutamento Hays.

O síndrome de esgotamento profissional, ou burnout, é considerado doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS) desde maio deste ano. Falta de motivação, energia e produtividade, irritabilidade, ansiedade, conflitos e confronto no trabalho, desorganização e sentimentos negativos constantes relativamente ao trabalho são alguns dos sintomas. E podem ser diminuídos pelas chefias, defende a empresa de recrutamento Hays.

Os líderes podem ter um papel fundamental e evitar que estes sintomas comecem a surgir. Segundo a Hays, há alguns sinais de alerta que revelam que algo não está bem:

  • Ser a primeira pessoa a chegar e a última a sair do escritório
  • Trabalhar constantemente durante os fins de semana
  • Nunca usufruir o direito a férias completas
  • Verificar compulsivamente os emails de trabalho fora de horas de trabalho.

Além disso, “o medo de se ser substituído, seja por um robô ou por um humano que entendamos que seja mais talentoso e que trabalhe mais do que nós, é muito real. Para contrariar este sentimento de insegurança, sentimos que precisamos de trabalhar mais, de nos responsabilizarmos mais e de alcançarmos mais do que qualquer outra pessoa”, refere o CEO da empresa de recrutamento, Alistair Cox.

Alistais Cox dá três sugestões que podem fazer toda a diferença e podem ajudar a evitar o esgotamento dos colaboradores.

  • Pensar no impacto das ações

Às vezes é inevitável ter de trabalhar horas extra. Como líder, não deve definir essa expectativa para a equipa. Agendar os emails para serem enviados durante o horário de trabalho pode limitar o risco dos colaboradores se sentirem obrigados a responder ou a trabalhar durante o horário laboral.

  • Gratificar a qualidade do trabalho, não a quantidade de horas trabalhadas

É importante que a chefia analise a forma como está a medir o sucesso, a avaliar e selecionar os potenciais colaboradores a serem promovidos – os processos estão a recompensar as coisas certas? Se não, é hora de repensar e de alterar os processos. Da mesma forma, é bom elogiar aberta e publicamente colaboradores que não trabalham em demasia e que estão completamente comprometidos com a empresa.

  • Incentivar a equipa a usufruir (realmente) das férias

Incentivar os membros da sua equipa a utilizar todos os dias de férias a que têm direito durante o ano. Conversar e incentivar para que aproveitem os dias da melhor forma e exigir que não respondam a emails ou telefonemas profissionais durante as férias. As chefias devem ainda, reforça o CEO, aconselhar os colaboradores a fazer intervalos regulares e desencorajar o almoço à frente dos computadores.

Em Portugal, já um Programa de Apoio ao Colaborador — a Team 24 – um projeto para promover bem-estar psicológico nas organizações e que que inclui um serviço de apoio psicológico telefónico 24 horas. Estima-se que esta doença custe cerca de 329 milhões de euros às empresas portuguesas. Segundo a Hays, os líderes das organizações podem ter um papel fulcral de inversão deste ciclo e é importante que os líderes empresariais sejam os principais exemplos e que estabeleçam uma vida mais equilibrada, dando prioridade à saúde física e mental.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Burnout: problema que pode ser evitado pelos líderes?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião