Burnout: serviço de apoio telefónico contratado por menos de cinco empresas no primeiro ano de vida

  • Sara Calado
  • 23 Agosto 2019

A linha de Assistência Psicológica Telefónica foi lançada em 2017 pela Team24. Questões financeiras das empresas e timidez dos colaboradores são razões apontadas para justificar a fraca adesão.

A linha de Assistência Psicológica Telefónica, lançado em 2017 pela Team24, um projeto para promover bem-estar psicológico nas organizações, foi contratado por menos de cinco empresas no primeiro ano e meio de vida. Esta linha de apoio “é um serviço contratado pela empresa como um benefício extra salarial, para aumentar o salário emocional”, explica Ana Ruivo, gestora de projeto da Team24.

As empresas que estão interessadas em disponibilizar este serviço aos colaboradores podem requisitar este serviço através de um contrato de um ano, que terá um custo médio anual de 20 euros por cada colaborador. A partir desse dia, todos os colaboradores têm acesso a um número de telefone, para o qual podem ligar entre as 9h00 e as 20h00, todos os dias úteis. Do outro lado do telefone estão terapeutas e psicólogos que em casos mais complexos poderão encaminhar para consultas presenciais na Clínica da Mente. Uma das vantagens deste serviço é ser anónimo, confidencial, e poder ser usado durante as pausas ou fora do horário do trabalho.

"As pessoas não verbalizam, têm vergonha, e apesar de ser completamente confidencial e anónimo, acham que de alguma maneira a entidade patronal vai saber quem são ”

Ana Ruivo

Gestora de Projeto Team24

Apesar do custo, as empresas portuguesas parecem estar reticentes em contratar este tipo de serviços. Desde o seu lançamento, a Assistência Telefónica Psicológica está disponível para menos de 1.000 colaboradores em Portugal, sendo que só 10% do total recorre à linha de apoio.

“As pessoas não verbalizam, têm vergonha, e apesar de ser completamente confidencial e anónimo, acham que de alguma maneira a entidade patronal vai saber quem são”, acredita Ana Ruivo.

As razões mais comuns para estes pedidos de ajuda são “stress, ansiedade, insónia”, revela Ana Ruivo, exatamente alguns dos sintomas da doença burnout. As empresas que contratam este serviço de assistência telefónica têm direito a descontos em consultas de psicoterapia na Clínica da Mente.

Ana Ruivo acredita que este tipo de serviço está ainda a caminho de se tornar sustentável em Portugal. Ainda há pouca procura devido a “questões financeiras” e, porque os gestores “não percebem o retorno do investimento”, pois a “saúde mental é pouco palpável”, frisa.

Comentários ({{ total }})

Burnout: serviço de apoio telefónico contratado por menos de cinco empresas no primeiro ano de vida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião