China e Trump derrubam bolsas. Em Lisboa, BCP volta a derrapar quase 3%

As praças europeias terminaram a última sessão no vermelho, depois de as tensões comerciais entre os EUA e a China voltarem a escalar. Em Lisboa, quase todas as cotadas fecharam em queda.

Esta semana termina num tom negativo, depois de um escalar das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China levar as bolsas europeias a afundar. Lisboa não escapou e acabou a última sessão da semana com uma queda superior a 1% e com a maioria das cotadas em terreno negativo.

O PSI-20 derrapou 1,33% para os 4.792,47 pontos. Apenas uma cotada do índice de referência português terminou a sessão no verde: os CTT, e três fecharam inalteradas. As restantes catorze cotadas ficaram no vermelho nesta sessão, com várias a registar quedas superiores a 1% e 2%.

Nas perdas, destaque para o BCP, que voltou às quedas e afundou 2,84% para os 0,20 euros, e para a Galp energia, que caiu 1,1%. O setor papeleiro também ficou no vermelho nesta sessão, com a Altri a cair 1,76% para os 5,58 euros, a Semapa a recuar 1,65% para os 11,92 euros e a Navigator a descer 1,06% para os 2,98 euros.

BCP cai quase 3%

De notar ainda as quedas das retalhistas. A Sonae recuou 2,26% para os 0,82 euros, e a Jerónimo Martins caiu 1,47% para os 14,45 euros. No extremo oposto, apenas se encontram os títulos dos CTT: avançaram 0,21% para os 1,87 euros.

Apesar de o líder da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, se ter mostrar otimista em relação aos desenvolvimentos económicos nos EUA e não sinalizar novo corte de juros, no discurso no Jackson Hole, os mercados focaram-se na guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

A China anunciou, nesta sexta-feira, tarifas adicionais sobre bens norte-americanos avaliados em 75 mil milhões de dólares. Em resposta, Donald Trump disse às empresas norte-americanas para procurarem alternativas à China, numa série de tweets publicados na sua conta oficial. Questionou também quem seria o maior inimigo dos EUA: o presidente chinês ou o líder da Fed?

Perante estes desenvolvimentos na disputa comercial, as bolsas europeias reagiram negativamente. O índice de referência europeu, o Stoxx 600, caiu 0,7% nesta sessão. O alemão DAX recuou 0,9%, com o setor automóvel a penalizar o índice, o francês CAC 40 desceu 1% e o espanhol IBEX caiu 0,6%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China e Trump derrubam bolsas. Em Lisboa, BCP volta a derrapar quase 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião