Investidores sobressaltados por novas tarifas da China aos EUA. Petróleo cai 3%

As tarifas anunciadas pela China são de 5% ou 10% num total de 5.078 produtos oriundos dos Estados Unidos, que incluem produtos agrícolas e carros.

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continua a escalar. Depois de Donald Trump avançar com outra ronda de tarifas, China anunciou que vai retaliar, e aplicar tarifas sobre bens norte-americanos no valor de 75 mil milhões de dólares. Nos planos está também retomar as tarifas de 25% sobre os automóveis norte-americanos a partir de 15 de dezembro.

As taxas aduaneiras anunciadas são de 5% ou 10% num total de 5.078 produtos oriundos dos Estados Unidos, incluindo produtos agrícolas, pequenos aviões e carros, revelou o ministro do Comércio chinês em comunicado, citado pela Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

O anúncio de Pequim apanhou os mercados completamente desprevenidos. Os principais mercados acionistas europeus, que estiveram a manhã a negociar em alta, inverteram repentinamente para terreno negativo, reflexo dos receios dos investidores perante uma nova escalada na disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo. O índice de referência europeu, o Stoxx 600, perde 0,25% para 373,36 pontos.

Por cá, o PSI-20 apresenta perdas mais expressivas: cai mais de 1% para 4.805,44 pontos. Todas as cotadas estão a negociar no vermelho, com BCP a recuar 2,5% para 0,2028 euros.

Estas preocupações estenderam-se rapidamente ao mercado petrolífero, onde o barril de Brent desvaloriza quase 2% para 58,83 dólares. Do outro lado do Atlântico, o crude tomba quase 3% para 54,09 dólares.

Algumas das medidas vão entrar em vigor em setembro, enquanto o resto será a 15 de dezembro, um calendário que espelha os planos norte-americanos de aplicar tarifas de 10% em cerca de 300 mil milhões de produtos chineses. A China tinha já avisado que iria retaliar caso os Estados Unidos avançassem com tarifas.

Os negociadores dos dois países terão já falado por telefone, e outra chamada está planeada para os próximos dias. A delegação chinesa deverá viajar até aos Estados Unidos em setembro para um encontro presencial, uma visita que estava já marcada.

(Notícia atualizada às 14h02)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores sobressaltados por novas tarifas da China aos EUA. Petróleo cai 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião