Quanto custa casar em Portugal?

Casar pelo civil não é assim tão caro. Mas entre vestuário, copo d'água e fotografias as despesas de um casamento podem facilmente disparar.

Quanto custa um casamento?Pixabay

Casar é um momento especial na vida das pessoas e é um acontecimento que não tem preço para muita gente. Agosto continua a ser, para muitos, o momento ideal para subir ao altar. Sem querer contrariar a ideia “romântica” do que pode representar o casamento, é possível, ainda assim, calcular o custo da cerimónia. Afinal, quanto custa casar em Portugal?

Na verdade, tudo dependerá da vontade dos noivos: se querem uma cerimónia mais intimista e simples, reservada à família e amigos próximos, ou uma festa de arromba a que nem o primo mais afastado vai querer faltar. A criatividade e a capacidade financeira são fatores determinantes para saber quanto dinheiro se gastará a organizar um casamento.

Todo o processo começa geralmente na Conservatória. Casar pelo civil em Portugal custa, pelo menos, 220 euros. O valor pode ser superior, dependendo do regime de bens escolhido para o casamento, se o ato é realizado fora da conservatória ou fora do horário de funcionamento dos serviços, entre outros aspetos. Pode facilmente aproximar-se dos 400 euros.

Ou seja, casar em Portugal até fica em conta considerando apenas o casamento civil. A título de curiosidade, pedir o divórcio fica por 280 euros, embora a Jeff Bezos a conta tem ficado nos 36 mil milhões.

Cerimónia simples ou festa de arromba?

Grande parte dos casamentos não fica apenas pelo ato civil. Há quem opte por ter também uma cerimónia religiosa e depois um copo d’água. E é aqui que surgem as maiores despesas.

Por exemplo, o vestido da noiva pode custar 1.200 euros, mas também pode ir aos 2.500. Neste dia, ela é o centro das atenções e é das rubricas do casamento onde se olhará menos para o preço. Se for de uma marca de alta-costura, o preço disparará naturalmente. Vestir o noivo é mais fácil e barato: pode-se alugar um fraque por 200 euros.

Os serviços de cabeleireiro e maquilhagem para ela podem facilmente custar 400 euros. O preço de um bouquet de noiva com flores importadas pode ascender a mais de 150 euros — pode-se sempre optar pelos verdes e flores do quintal dos avós para dar um cunho pessoal a este adereço e poupar alguns euros.

Mas é o copo d’água que levará a fatia de leão do orçamento. Aqui inclui-se geralmente o espaço e comida. Mais uma vez, os preços variam muito. 120 euros por pessoa pode ser um valor razoável a pagar. O total vai depender do número de convidados que marcarem presença: contas simples, se forem 100 convidados, o custo ficará nos 12.000 euros. Dica dos experts para baixar este encargo: optar por fazer a cerimónia fora da época alta (entre junho e setembro) e a um dia da semana.

Há outros custos que também devem ser tidos em conta. O bolo de casamento custará em média entre 200 euros e 400 euros, podendo ser mais barato ou mais caro consoante o tamanho e o detalhe da decoração. Os serviços de fotografia custarão mais de 800 euros, dependendo dos extras. Pode-se contratar um videógrafo para registar os momentos em filme e este serviço pode também ficar por 1.000 euros ou mais.

Outros dois detalhes importantes: DJ ou banda para animar a festa podem representar um encargo bem acima dos 1.000 euros; os convites ficarão entre os 2,5 euros/unidade (mais simples) e os dez euros (mais elaborados).

Quanto custa carregar a bateria do seu telemóvel? Quantas árvores são precisas para fazer uma resma de papel? Quanto custa fazer uma prancha de surf? Quantos casamentos se fazem em agosto? De segunda a sexta-feira, até ao final de agosto, o ECO dá-lhe a resposta a um “Sabia que…”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto custa casar em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião