Revolut escolhe Portugal para 2ª maior unidade da Europa. Investe quatro milhões

  • ECO e Lusa
  • 30 Agosto 2019

O espaço da Revolut em Matosinhos vai permitir empregar até 470 pessoas. O local escolhido é o edifício da litográfica Amorim & Amorim, uma antiga fábrica de latas de conservas de sardinha.

Uma antiga fábrica de latas de conserva de sardinha de Matosinhos, distrito do Porto, vai transformar-se até ao fim do ano na “segunda maior unidade da Europa” da empresa de serviços bancários Revolut, com capacidade para 470 trabalhadores, e num investimento de quatro milhões de euros nos próximos cinco anos, avançou o Expresso este sábado.

A aplicação bancária para dispositivos móveis originária do Reino Unido, considerada “unicórnio” (startup tecnológica avaliada em mais de mil milhões de dólares), quer abrir a sua segunda maior unidade da Europa em Matosinhos até ao final de 2019 e escolheu como quartel-general o edifício da litográfica Amorim & Amorim, uma antiga fábrica de latas de conservas de sardinha, localizado no número 612 da Avenida Menéres, e que conta na vizinhança com a fábrica de conservas de peixe Pinhais & Companhia.

Portugal é já o sétimo mercado da fintech na Europa.

“O espaço está neste momento a sofrer obras de beneficiação e deverão estar concluídas no final deste ano. Até as obras estarem concluídas, os atuais colaboradores da Revolut em Portugal (70) estão instalados num escritório provisório, na Rua Roberto Ivens, também em Matosinhos”, avançou esta sexta-feira à Lusa fonte oficial da Revolut, criada em 2015 por Nik Storonsky, ex-funcionário do Credit Suisse (2008-2013) e da Lehman Brothers (2006-2008), e por Vlad Yatsenko (ex-funcionário no Deutsche Bank e UBS Investment Bank).

A sede da Revolut em Portugal vai ocupar a antiga unidade fabril, cuja especialidade era a estampagem da folha de Flandres que servia a indústria portuguesa de conservas. De acordo com Ricardo Macieira, diretor geral da empresa em Portugal há já três meses, o objetivo é ter quatro centenas de pessoas a trabalhar a partir de Matosinhos, escritório que será um centro de suporte global em oito idiomas com características semelhantes ao que a Revolut já tem na Polónia.

“Admitimos a totalidade da lotação do espaço num período de tempo entre os 18 e os 24 meses”, revela a mesma fonte, assumindo que o imóvel vai manter o “‘looking [visual] industrial” da secular fábrica Amorim & Amorim.

Fonte da Câmara Municipal de Matosinhos confirmou à Lusa que a Revolut vai ocupar as antigas instalações da Amorim & Amorim, um espaço que está a receber “obras de restauro”, mas que chegou a ser a “mais antiga” litografia de Matosinhos e que fechou em 2006.

No livro “Memória da Indústria Conserveira de Matosinhos, Leça da Palmeira e Perafita, 1899-2007, de Josué Gomes Fernandes Tato, editado em 2008 pela Câmara de Matosinhos, lê-se que a Litografia Amorim & Amorim adquiriu em pouco tempo um “desenvolvimento notável, tendo sido a mais importante fábrica da sua especialidade em Matosinhos”.

A mesma litografia, que se chegou também a dedicar à lataria, e que teve uma oficina na Avenida Serpa Pinto em Matosinhos, “estava dotada de aparelhagem moderníssima e possuía um excelente conjunto de hábeis artífices” e “produzia um trabalho esmerado que satisfazia plenamente a sua numerosa clientela”, refere o mesmo livro.

A escolha do Norte de Portugal, e em específico de Matosinhos, para abrir uma nova unidade na Europa da Revolut explica-se com o facto de o país se ter afirmado como um “mercado preferencial para grandes empresas tecnológicas”, mas também pela proximidade às universidades e ao mar.

“Avaliámos vários mercados antes de planear a instalação de um novo centro de suporte e, em articulação com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), imediatamente percebemos que Portugal, pela qualidade dos profissionais – com uma grande proficiência em línguas -, pela qualidade de vida e condições climatéricas únicas na Europa seria o melhor local”, explicou à Lusa a Revolut.

As universidades do Norte do país “muito bem cotadas”, a “acessibilidade“ e a “proximidade a outros ‘hubs’ de inovação” e ao mar foram outros atributos que a Revolut reconheceu em Matosinhos.

“Temos uma unidade de ‘business development’ em Lisboa, mas consideramos interessante esta capilaridade e descentralização, pelo que a escolha recaiu sobre Matosinhos. Este espaço é próximo do Porto e junto da praia, o que nos permitirá oferecer aos nossos colaboradores uma excelente localização e ‘amenities’ (facilidades) alinhadas com o nosso nível de exigência”.

A Revolut tem sede em Londres (Reino Unido), 1.200 funcionários e na rede social Linkedin revela que tem “660 vagas em aberto” e assume que aconteça o que acontecer com o ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia), a empresa está “a dar passos proativos para proteger as contas”.

“O objetivo da Revolut, empresa que se autodomina como uma alternativa digital à banca tradicional, é dar ao utilizador o controlo do seu dinheiro e da sua vida financeira”, indica.

O novo banco digital tem “6,5 milhões de clientes na Europa, dos quais 250 mil são portugueses” e materializa-se numa aplicação e cartões que permitem ao utilizador gerir uma carteira com 28 moedas, transferir dinheiro instantaneamente e gastar, em todo o mundo, sem taxas escondidas”.

Notícia atualizada às 11h30 de 31 de agosto, com informação sobre investimento.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Revolut escolhe Portugal para 2ª maior unidade da Europa. Investe quatro milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião