“Em nenhuma circunstância irei pedir a Bruxelas para adiar o Brexit”, diz Boris Johnson

  • ECO
  • 2 Setembro 2019

O primeiro-ministro britânico reafirmou a intenção de concretizar o Brexit a 31 de outubro e mostrou-se confiante em alcançar um acordo com a União Europeia, afastando o cenário de eleições.

O primeiro-ministro britânico continua a reafirmar o objetivo de “tirar” o Reino Unido da União Europeia (UE) a 31 de outubro, contrariando as tentativas dos deputados em adiar a saída. Em declarações após um Conselho de Ministros convocado de emergência, Boris Johnson disse ainda estar cada vez mais confiante de que alcançará um acordo com a UE no próximo mês e afastou a possibilidade de eleições.

As hipóteses para conseguir acordo para o Brexit têm aumentado, começou por dizer o primeiro-ministro britânico, em declarações transmitidas pela Sky News. E as probabilidades de se alcançar esse acordo têm aumentado porque a UE percebe que o Reino Unido quer um acordo, que o Reino Unido tem uma visão para o Brexit e que o Reino Unido está preparado para um acordo.

Boris Johnson referiu ainda que, caso os deputados votem esta terça-feira para sair da UE sem um acordo — coisa que acredita que não irá acontecer —- estarão a “cortar as pernas” à sua posição de negociação. Nesse sentido, referiu: “em nenhuma circunstância irei pedir a Bruxelas para adiar o Brexit”. “Estamos unidos com um propósito: em paz com o Governo e contra o adiamento” da saída da UE.

O primeiro-ministro concluiu afirmando que acredita que “irá ser alcançado um acordo em outubro” e que haverá oportunidade para as negociações continuarem, mas sem eleições. “Eu não quero eleições e vocês também não”, rematou, contrariando as expectativas de que este se preparava para avançar com uma moção para convocar eleições antecipadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Em nenhuma circunstância irei pedir a Bruxelas para adiar o Brexit”, diz Boris Johnson

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião