Perder eleições? “A 7 de outubro logo se verá o que faço”, diz Rui Rio

  • ECO
  • 3 Setembro 2019

Em entrevista à TVI e TVI24, o presidente do PSD desvalorizou cenário de derrota nas eleições de 6 de outubro. Mantém disponibilidade para fazer acordos com o PS sobre reformas estruturais.

Com as sondagens a darem vitória ao PS, Rui Rio desvaloriza o cenário de derrota do PSD nas eleições legislativas de 6 de outubro. “Logo vejo o que faço o que for em função do resultado”, disse o líder social-democrata em entrevista à TVI e TVI24.

Perante a pergunta “se tiver o pior resultado de sempre, continua como presidente do PSD?”, Rui Rio disse não estar preocupado com o que virá a seguir ao dia das eleições. “A 7 de outubro logo se verá o que faço. Se me perguntar no dia 8 também não faço a mínima ideia do que vou fazer. O que quero saber é dos resultados do dia 6 de outubro”, respondeu o líder do PSD.

As últimas sondagens dão os socialistas e António Costa no limiar da maioria absoluta, com 43,6% dos votos. A mesma sondagem da Pitagórica para o JN e TSF dava mais de 60% das intenções de voto dos inquiridos aos três partidos da geringonça.

Rui Rio referiu que não continuará à frente do PSD se sentir que isso não terá nenhum benefício. “Agarrado ao que quer que seja nunca estive, muito menos aos 62 anos. Estou aqui para prestar um serviço. O benefício é conseguir prestar um serviço público“, disse.

Por serviço público o líder do PSD entende fazer acordos parlamentares para aprovar as reformas estruturais de que o país precisa, seja na justiça, na segurança social ou no sistema político. Doutro modo, Rio afirma que tem perfil para “andar de Orçamento do Estado em Orçamento do Estado, andar fazer coisas do tipo queijo limiano” que não passa de “trica política”.

“O que me interessa é o país, conseguir fazer aquilo de que o país precisa e que a trica política não permite”, que são as reformas estruturais, disse, questionado sobre se apoiaria um governo minoritário socialista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perder eleições? “A 7 de outubro logo se verá o que faço”, diz Rui Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião