Deco defende cartão de débito grátis vitalício para clientes com cadernetas bancárias

  • ECO
  • 4 Setembro 2019

"Esta mudança é imposta aos clientes, os quais não solicitaram alterações ao serviço", diz a associação.

Com as cadernetas bancárias a passarem, a partir de 14 de setembro, a permitir apenas consultar os saldos e movimentos, a Deco (Associação de Defesa do Consumidor) alertou que esta mudança implicará mais custos para os clientes. Isto porque os cartões de débito que serão facultados pelos bancos aos clientes serão gratuitos apenas durante o primeiro ano. Para a associação do consumidor, estes cartões deveriam ser grátis de forma vitalícia.

“Esta mudança é imposta aos clientes, os quais não solicitaram alterações ao serviço”, considera Sónia Covita, coordenadora da área de serviços financeiros da Deco, citada pela Dinheiro Vivo (acesso livre). Por isso mesmo, a especialista recomenda ao Banco de Portugal que estenda a gratuidade do cartão além de um ano.

A Deco critica, também, o facto de ainda não existir informação clara da parte dos bancos sobre os custos que os clientes que ficarem com estes cartões terão de suportar, uma vez passado o ano de gratuidade. “No caso da Caixa Geral de Depósitos (CGD) [onde 290 mil clientes utilizam a caderneta bancária para levantar dinheiro], o cliente terá de suportar um custo de 18 euros (anualmente) com o cartão, após o primeiro ano”, refere Sónia Covita.

Além da CGD, estas novas regras europeias vão afetar, também, os clientes de bancos o Crédito Agrícola e o Montepio Geral, que também têm cadernetas.

Falta de informação e alerta para os consumidores

A associação lembra, ainda, que estão em causa muitos clientes idosos e também alguns com parcas condições financeiras e “um orçamento bem contabilizado”. “Temos recebido pedidos de informação de clientes de bancos que foram surpreendidos com as mudanças no uso da caderneta”, diz Sónia Covita.

Por ouro lado, a associação alerta os consumidores para o risco de os bancos tentarem levar os clientes com caderneta a aderir a cartões premium, com elevados custos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deco defende cartão de débito grátis vitalício para clientes com cadernetas bancárias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião