Lisboa é a 53.ª melhor cidade do mundo para viver. Sobe um lugar no ranking da The Economist

A capital portuguesa teve pontuações mais elevadas na área da cultura e do meio ambiente, bem como na educação, mas pontuações mais baixas no setor que avalia as infraestruturas.

Lisboa voltou a subir no ranking das melhores cidades do mundo para viver. A capital portuguesa avançou um lugar na lista elaborada pela Intelligence Unit do The Economist (EIU), onde é considerada a 53.ª melhor cidade para viver. É a única metrópole portuguesa neste índice que compila um total de 140 cidades mundiais.

Em cinco anos, Lisboa subiu quatro lugares no ranking. Estabilidade, cuidados de saúde, cultura e ambiente, educação e infraestruturas foram os elementos analisados para se chegar a esta avaliação. A capital portuguesa tem pontuações muito altas na área da cultura e do meio ambiente, bem como na educação, mas pontuações ligeiramente mais baixas no setor que avalia as infraestruturas, indica a EIU ao ECO.

Já no topo encontra-se Viena, na Áustria, que conseguiu manter a coroa de melhor cidade do mundo para viver depois de ter destronado Melbourne, na Austrália, no ano passado. Além da capital austríaca, apenas mais uma cidade europeia, Copenhaga, na Dinamarca, figura no top 10 do ranking realizado anualmente.

A Austrália, o Canadá e o Japão destacam-se no ranking, ao terem várias cidades no topo. As dez melhores cidades para viver mantêm-se as mesmas desde o ano passado, apesar de Sidney, na Austrália, ter conseguido passar de 5.º para 3.º lugar, graças ao fortalecimento das políticas para travar os efeitos das alterações climáticas.

Paris caiu seis lugares para o 25.º lugar, principalmente devido aos efeitos do movimento dos coletes amarelos na estabilidade da capital francesa. Mesmo assim, continua à frente de cidades como Londres (48.º), no Reino Unido, e Nova Iorque (58.º), nos Estados Unidos, que têm pontuações altas área cultural, mas acabam por ficar de fora dos lugares de topo deste ranking devido à perceção dos riscos de crime e terrorismo.

Este índice começou a ter em conta os efeitos das mudanças climáticas nas cidades, sendo que as cidades menos estáveis estão mais expostas aos riscos de incidentes relacionados com este fenómeno, o que contribui ainda mais para as colocar no fim da lista. As últimas cidades do ranking são maioritariamente em países africanos e do Médio Oriente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa é a 53.ª melhor cidade do mundo para viver. Sobe um lugar no ranking da The Economist

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião