Lisboa é a 53.ª melhor cidade do mundo para viver. Sobe um lugar no ranking da The Economist

A capital portuguesa teve pontuações mais elevadas na área da cultura e do meio ambiente, bem como na educação, mas pontuações mais baixas no setor que avalia as infraestruturas.

Lisboa voltou a subir no ranking das melhores cidades do mundo para viver. A capital portuguesa avançou um lugar na lista elaborada pela Intelligence Unit do The Economist (EIU), onde é considerada a 53.ª melhor cidade para viver. É a única metrópole portuguesa neste índice que compila um total de 140 cidades mundiais.

Em cinco anos, Lisboa subiu quatro lugares no ranking. Estabilidade, cuidados de saúde, cultura e ambiente, educação e infraestruturas foram os elementos analisados para se chegar a esta avaliação. A capital portuguesa tem pontuações muito altas na área da cultura e do meio ambiente, bem como na educação, mas pontuações ligeiramente mais baixas no setor que avalia as infraestruturas, indica a EIU ao ECO.

Já no topo encontra-se Viena, na Áustria, que conseguiu manter a coroa de melhor cidade do mundo para viver depois de ter destronado Melbourne, na Austrália, no ano passado. Além da capital austríaca, apenas mais uma cidade europeia, Copenhaga, na Dinamarca, figura no top 10 do ranking realizado anualmente.

A Austrália, o Canadá e o Japão destacam-se no ranking, ao terem várias cidades no topo. As dez melhores cidades para viver mantêm-se as mesmas desde o ano passado, apesar de Sidney, na Austrália, ter conseguido passar de 5.º para 3.º lugar, graças ao fortalecimento das políticas para travar os efeitos das alterações climáticas.

Paris caiu seis lugares para o 25.º lugar, principalmente devido aos efeitos do movimento dos coletes amarelos na estabilidade da capital francesa. Mesmo assim, continua à frente de cidades como Londres (48.º), no Reino Unido, e Nova Iorque (58.º), nos Estados Unidos, que têm pontuações altas área cultural, mas acabam por ficar de fora dos lugares de topo deste ranking devido à perceção dos riscos de crime e terrorismo.

Este índice começou a ter em conta os efeitos das mudanças climáticas nas cidades, sendo que as cidades menos estáveis estão mais expostas aos riscos de incidentes relacionados com este fenómeno, o que contribui ainda mais para as colocar no fim da lista. As últimas cidades do ranking são maioritariamente em países africanos e do Médio Oriente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa é a 53.ª melhor cidade do mundo para viver. Sobe um lugar no ranking da The Economist

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião