Estas são as cidades mais caras do mundo. Singapura já não está sozinha no topo

Há um empate no topo da tabela da Economist Intelligence Unit entre Singapura, que foi líder durante cinco anos consecutivos, Paris e Hong Kong. 

Singapura tem novas rivais no ranking das cidades mais caras do mundo. A par da cidade dos jardins, surgem agora duas novas capitais, uma no continente europeu e outra no continente asiático. Há um empate no topo da tabela da Economist Intelligence Unit entre Singapura — que foi líder durante cinco anos consecutivos –, Paris e Hong Kong.

De acordo com a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês), as três cidades atingiram uma pontuação de 107, sendo que Paris subiu uma posição no ranking e Hong Kong subiu três lugares. Já Zurique, na Suíça, aparece, agora, no quarto lugar da lista, tendo descido uma posição.

Os cinco primeiros lugares da tabela ficam completos com Genebra, também na Suíça, e Osaka, no Japão, que empataram no quinto lugar. Copenhaga (Dinamarca), Seul (Coreia do Sul), Nova Iorque (EUA), Tel Aviv (Israel) e Los Angeles (EUA) integram o top 10, que, este ano, dá pela falta de Sydney, na Austrália.

“Moedas locais mais fracas pressionaram todas as cidades australianas presentes no ranking“, explica a Economist Intelligence Unit à Bloomberg, referindo-se à ausência de Sydney no top 10, depois de, no relatório do ano passado, ter assumido a 10.ª posição.

A empresa britânica responsável pelo ranking salienta, ainda, que o custo de vida nas cidades chinesas permanece relativamente estável, enquanto as cidades asiáticas — que têm uma forte demonstração no topo da tabela — “estão entre as mais caras do mundo para fazer compras no geral”.

Veja a fotogaleria das cinco cidades mais caras do mundo. Há dois empates, no primeiro e quinto lugares da lista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas são as cidades mais caras do mundo. Singapura já não está sozinha no topo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião