“Coletes amarelos” custaram mais de 0,1% do PIB francês

  • Lusa
  • 17 Julho 2019

Os protestos em França tiveram um custo económico equivalente a uma décima do PIB do país, de acordo com um relatório parlamentar apresentado esta quarta-feira em Paris.

Os protestos dos “coletes amarelos” em França tiveram um custo económico equivalente a uma décima do PIB do país, de acordo com um relatório parlamentar apresentado esta quarta-feira em Paris.

O movimento dos “coletes amarelos” iniciou-se em Paris de forma espontânea em outubro de 2018 e espalhou-se para outras cidades francesas (e até de outros países) juntando milhares de pessoas – que se diziam inconformadas pelo aumento do preço dos combustíveis, pelo alto custo de vida e pelas desigualdades económicas – em sucessivas manifestações que provocaram avultados estragos físicos.

O relatório apresentado esta quarta-feira no parlamento menciona que os danos provocados pelo movimento tiveram um custo económico direto que representa 0,1% da riqueza produzida pelo país, ou seja mais de dois mil milhões de euros, mas teve repercussões sociais e políticas cujas consequências ainda não se podem avaliar totalmente.

“Esta perspetiva macroeconómica está longe de refletir a amplitude das repercussões (do movimento)”, pode ler-se no relatório elaborado por uma equipa de 16 deputados e promovido por uma iniciativa do presidente da Comissão dos Assuntos Económicos da Assembleia Nacional francesa, Roland Lescure.

O turismo foi um dos setores mais prejudicados pelo movimento dos “coletes amarelos”, com perdas de cerca de 850 milhões de euros, afetando hotéis, restaurantes e cafés, de acordo com cálculos mencionados no relatório.

O fenómeno também teve repercussões no comércio, com os deputados da comissão a estimar que o facto de mas manifestações terem muitas vezes degenerado em violência assustou clientes, produzindo uma redução nas receitas das lojas estimada entre 20% e 30%.

Um relatório do Senado francês, apresentado em de junho, já tinha indicado que as companhias de seguros tiveram que pagar 217 milhões de euros em compensações, especialmente aos comerciantes.

Os prejuízos apresentados no relatório incluem ainda a remuneração de horas extraordinárias que tiveram de ser pagos às autoridades policiais, que tiveram de repor a ordem pública durante as manifestações dos “coletes amarelos”, resultando em valores superiores a 46 milhões de euros.

Remuneração de horas extras tiveram que ser pagos a policiais e gendarmes para lidar com a ordem pública durante as manifestações dos “coletes amarelos” em dispositivos excecionais resultaram em um projeto de lei “pelo menos 46.08 milhões de euros”.

O preço é ainda mais elevado para a reparação de radares de velocidade, que foram um alvo privilegiado da ira dos manifestantes, com os deputados a contabilizarem 2.410 radares destruídos e 577 danificados.

Os autores do relatório observam que as maiores repercussões económicas afetaram as pequenas empresas que, devido à perda de receitas, passaram por situações de pressão nas suas tesourarias e por dificuldades em lidar com o pagamento de custos fixos dos seus negócios.

(Notícia corrigida pela Lusa, alterando o custo de 10% para 0,1% do PIB de França)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Coletes amarelos” custaram mais de 0,1% do PIB francês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião