“O Benfica depende muito das competições europeias”, diz Domingos Soares de Oliveira

  • Lusa
  • 6 Setembro 2019

O administrador executivo da Benfica SAD, Domingos Soares de Oliveira, diz que 25 a 30% das receitas diretas das ‘águias’ são originárias das competições europeias.

O administrador executivo da Benfica SAD, Domingos Soares de Oliveira, admitiu esta sexta-feira, na Soccerex, em Oeiras, que o clube ‘encarnado’ “depende muito”, financeiramente, da presença nas competições europeias de futebol.

“As receitas que conseguimos no mercado interno são bastante limitadas, por isso dependemos muito das competições europeias”, começou por dizer o administrador, adiantando que 25 a 30% das receitas diretas das ‘águias’ são originárias desse campo.

Domingos Soares Oliveira lembrou que há ainda que “acrescentar toda a parte de bilheteira e patrocínios”, o que faz com que seja “muito importante” para o clube manter-se “neste grupo de clubes que regularmente jogam provas europeias”.

O CEO da SAD ‘encarnada’ abordou também a questão dos direitos televisivos em Portugal, abrindo a porta a um novo modelo onde podem entrar os ‘gigantes’ Amazon, Netflix ou Facebook.

“O nosso primeiro objetivo é ser rentável e cabe-nos arranjar maneira de o conseguir. Foi algo que atingimos nos últimos seis anos e que em clubes da ‘Premier League’, por exemplo, é mais fácil de conseguir, de tão elevado que é o valor dos direitos televisivos. Em Portugal, não é assim, mas acredito que num futuro próximo vamos ter mudanças e que clubes e donos dos direitos vão ter de trabalhar em conjunto para encontrar novas formas de ter retorno”, antecipou o administrador da SAD do Benfica.

Além das contas, Domingos Soares de Oliveira sublinhou que o Benfica tem uma história que não lhe permite entrar na Liga dos Campeões apenas com motivações económicas, afirmando que o clube vê a competição máxima da UEFA como “a oportunidade de estar nos melhores palcos”.

O administrador reiterou ainda que o Benfica está disponível para dar o seu consentimento a um modelo competitivo onde seja reconhecido o mérito desportivo.

“Sempre houve e sempre haverá diferenças entre clubes, quer a nível internacional, quer a nível doméstico. Mas, se o novo modelo promover o reconhecimento das prestações desportivas, nós, no Benfica, estamos satisfeitos”, concluiu Soares de Oliveira.

A Soccerex, evento que junta ex-jogadores, dirigentes e outros agentes para debater a indústria do futebol, estreia-se em Portugal e, entre quinta e hoje, passam por Oeiras nomes conhecidos da modalidade, como o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, o presidente da Liga espanhola, Javier Tebas, o antigo selecionador de França Gerard Houlier e os ex-futebolistas Christian Karembeu e Deco, entre outros, espalhados por diferentes conferências e temas que vão desde a forma de liderança no futebol europeu a novas áreas, como os e-sports.

A Soccerex organiza estes fóruns desde 1995, tendo já passado por 19 cidades e 13 países diferentes. Este ano, a organização fez uma aposta em “mercados emergentes no futebol” e já passou também pela China, em maio, marcando ainda presença nos Estados Unidos da América, em novembro. A realização da Soccerex na Europa cabe pela primeira vez a Portugal, com Oeiras a acolher mais de 60 oradores no ciclo de dois dias de conferências.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O Benfica depende muito das competições europeias”, diz Domingos Soares de Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião