Elisa Ferreira é a nova comissária para a Coesão e Reformas

A vice-governadora do Banco de Portugal e antiga eurodeputada socialista foi a escolhida para assumir a pasta da Coesão e Reformas, numa Comissão Europeia que terá uma estrutura diferente da atual.

A vice-governadora do Banco de Portugal e antiga eurodeputada socialista foi a escolha de Portugal para a próxima Comissão Europeia. Ursula von der Leyen anunciou esta terça-feira que Elisa Ferreira vai assumir a pasta da Coesão e Reformas.

Elisa Ferreira vai liderar a Direção Geral para a Política Regional e Urbana (DG REGIO) e ainda terá a cargo uma nova direção geral que vai ser criada para o apoio às reformas estruturais, que partilhará recursos com a DG REGIO. Este serviço já existia, mas esta parte da secretaria-geral da Comissão Europeia passa a ser agora uma Direção-Geral independente.

A antiga eurodeputada terá também a seu cargo a gestão e aplicação daquele que vai ser o novo Fundo para uma Transição Justa. Este Fundo deve ser criado dentro do Green Deal prometido por Ursula von der Leyen, para ajudar os países mais dependentes de energia mais poluente, o carvão, na transição para aquelas que serão as novas regras ambientais europeias.

Para António Costa, esta é uma “pasta muitíssimo importante”. “Vai permitir assegurar a conclusão do próximo quadro comunitário”, com a gestão de “dois fundos importantes” — o FEDER e o Fundo de Coesão, disse o primeiro-ministro, em declarações aos jornalistas, transmitidas pelas televisões.

“É uma pasta que está ao nível da qualidade da nossa comissária” e que corresponde a uma “área de interesse muito significativa para o país” e que “vai permitir dar um contributo muito importante”. A pasta, continuou António Costa, “dirá mais respeito ao dia-a-dia do país e dos portugueses e contribuirá para aproximar a União Europeia dos portugueses”.

Ursula von der Leyen anunciou esta terça-feira a sua Comissão Europeia para os próximos cinco anos. Os nomes já tinham sido aprovados, mas as pastas ficaram guardadas no segredo dos deuses até à conferência de imprensa da presidente eleita, que só distribui a novo organigrama da Comissão Europeia durante o decorrer da Comissão.

A nova estrutura será significativamente diferente da atual Comissão Juncker, com pastas mais transversais e com três vice-presidentes executivos, que também terão as suas próprias pastas.

Elisa Ferreira tem 63 anos e foi ministra dos Governos chefiados por António Guterres: primeiro ministra do Ambiente, entre 1995 e 1999, e depois do Planeamento, entre 1999 e 2002. Foi eurodeputada entre 2004 e 2016, tendo ocupado desde setembro de 2017 o cargo de vice-governadora do Banco de Portugal.

A futura comissária, a primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário desde a adesão de Portugal à comunidade europeia (1986), sucederá a Carlos Moedas, que foi comissário indicado pelo anterior Governo PSD/CDS-PP, que teve a seu cargo a pasta da Investigação, Ciência e Inovação e que foi nomeado em novembro de 2014.

(Notícia atualizada às 12h05 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elisa Ferreira é a nova comissária para a Coesão e Reformas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião